Geral

Confrontos em marcha de cristãos deixam 29 feridos na capital do Egito

Pelo menos 29 pessoas ficaram feridas no Cairo nesta quinta-feira (17) quando moradores entraram em confronto com milhares de cristãos que marchavam pela capital para celebrar a memória daqueles que morreram na luta com o Exército em 9 de outubro, informou a agência de notícias estatal Mena. Os cristãos coptas estavam saindo em passeata do […]

Arquivo Publicado em 17/11/2011, às 22h04

None

Pelo menos 29 pessoas ficaram feridas no Cairo nesta quinta-feira (17) quando moradores entraram em confronto com milhares de cristãos que marchavam pela capital para celebrar a memória daqueles que morreram na luta com o Exército em 9 de outubro, informou a agência de notícias estatal Mena.


Os cristãos coptas estavam saindo em passeata do subúrbio do Shoubra, no norte do Cairo, em direção à Praça Tahrir, no centro da cidade.


‘Os moradores no bairro de Bulak atacaram o grupo em seu caminho para a praça e atiraram pedras contra eles’, disse uma fonte de segurança à Reuters.


Outro ataque aconteceu quando manifestantes estavam se reagrupando em Shoubra, onde moradores e manifestante atiraram pedras, vidros e coquetéis Molotov uns contra os outros.


A polícia chegou e um padre pediu aos manifestantes que se dispersassem, dizendo que o Exército havia fechado o centro da cidade perto de Tahrir e que a marcha não poderia seguir em frente.


‘Fomos atacados pelos moradores … E vi dois manifestantes feridos’, disse o cristão Rizk Samir.


Segundo a agência de notícias Mena, um porta-voz do Ministério da Saúde disse que as lesões variavam entre cortes sem gravidade e desmaios. Dos feridos, 24 já haviam recebido alta do hospital.


Em 9 de outubro, pelo menos 25 pessoas morreram em Maspero, quando manifestantes cristãos e o Exército entraram em confronto.


O Egito tem sofrido uma série de sangrentos confrontos sectários, nos quais mais de 40 pessoas foram mortas e milhares ficaram feridas desde a queda do presidente Hosni Mubarak em fevereiro em um levante popular.


Os cristãos há muito se queixam de barreiras à construção de igrejas, sentenças judiciais que favorecem muçulmanos e o que eles veem como a influência crescente dos grupos islamistas que foram reprimidos durante o governo de Mubarak, que durou 30 anos.


Os cristãos constituem cerca de 10% dos 80 milhões de habitantes do Egito.

Jornal Midiamax