A camareira Nafisatou Diallo, que acusa o ex-diretor financeiro do FMI Dominque Strauss-Khan de abuso sexual, foi vítima de estupro, segundo a revista francesa “L’Express” que, em sua edição online desta terça-feira (16), afirma ter tido acesso a um documento do hospital de Nova York que faz parte da investigação do caso.

De acordo com a revista, a conclusão está no exame forense de agressão sexual, “um conjunto de dezenas de páginas do setor de emergência do hospital St. Luke’s Roosevelt, de Manhattan”, onde Diallo teria dado entrada às 15h59 do dia 14 de maio.

Na última página do documento, segundo a “L’Express” está a conclusão do médicos que examinaram a camareira. “Diagnóstico: agressão. Causa dos ferimentos: agressão. Estupro.”

A camareira do Hotel Sofitel acusa Dominique Strauss-Kahn de estupro e abriu um processo civil no início deste mês contra o ex-diretor do Fundo Monetário Internacional, acusando-o de um ‘ataque violento e sádico’.

Dominique Strauss-Kahn chegou a ser preso por causa do incidente, e teve de renunciar ao comando do FMI e abdicar de suas ambições de disputar a presidência da França. As acusações penais, no entanto, perderam força nas últimas semanas devido a dúvidas dos promotores a respeito da credibilidade da acusadora.

Strauss-Kahn, de 62 anos, nega as acusações, e seus advogados dizem que qualquer contato sexual com Diallo foi consensual.