Geral

Brasileiros já começam a planejar o que fazer com o décimo terceiro

Trabalhadores, aposentados e pensionistas já começam a planejar o que fazer com o décimo terceiro salário pago em dezembro. Na avaliação de especialistas em finanças pessoais, o dinheiro-extra pode vir como uma oportunidade para se livrar de dívidas e iniciar uma poupança. “O momento é oportuno. Estamos em outubro, portanto tem tempo para planejar o […]

Arquivo Publicado em 23/10/2011, às 16h49

None

Trabalhadores, aposentados e pensionistas já começam a planejar o que fazer com o décimo terceiro salário pago em dezembro. Na avaliação de especialistas em finanças pessoais, o dinheiro-extra pode vir como uma oportunidade para se livrar de dívidas e iniciar uma poupança.


“O momento é oportuno. Estamos em outubro, portanto tem tempo para planejar o final do ano”, lembra o professor de Finanças da Faculdade Ibmec, Marcos Aguerri Pimenta de Souza.


Ele destaca que, primeiramente, o consumidor deve verificar quais são as prestações a vencer, as demais despesas futuras e, por último, levar em consideração “os desejos de final de ano”.


Para o especialista em administração financeira, Érico Veras Marques, professor da Faculdade de Economia, Administração Atuária e Contabilidade, da Universidade Federal do Ceará (UFC), no caso das pessoas que estão com as contas em dia, parte do décimo terceiro pode ser separado para as compras de Natal e outra parte para fazer poupança. Mas se o consumidor já estiver endividado, a orientação é colocar as contas em dia para evitar pagar juros altos.


“Tem ainda o superendividado. O décimo terceiro não vai acabar com a dívida dele. Mas ele pode ver qual é a dívida mais cara, com juros mais altos, e alocar o décimo terceiro em cima dessas grandes dívidas, além de tentar negociar o restante a taxa menores com os credores, já que o volume de dívidas fica menor e é mais fácil negociar”, diz Marques.


Os especialistas também destacam que mesmo para os que não estão endividados, antes de sair gastando em compras e festas de final de ano, é preciso lembrar que no início de 2012 virão as despesas extras como material escolar e impostos.


“Por isso, ao planejar, é preciso colocar essas despesas do ano que vem. Com o que sobrar, levando em consideração as prestações a vencer e as despesas futuras, é possível comprar presentes para a família, gastar com festas ou viagens”, orienta Aguerri.


Se o caso é investir, Aguerri enfatiza que o primeiro passo é conhecer onde aplicar o dinheiro. “Se a pessoa não tem tempo e não quer se preocupar com questões de riscos e variações nas aplicações, o melhor é aplicar na poupança, que tem um rendimento bom, ou no Tesouro Direto [que é um programa de venda de títulos públicos a pessoas físicas]”, diz Aguerri.


Ele ainda destaca que a poupança e o consumo prudente sempre são válidos mesmo em momentos em que o mercado está aquecido e com grande oferta de empregos. O professor lembra que mesmo nessa situação, nada impede que a pessoa possa ser demitida. A única diferença, segundo ele, é que, em um cenário de melhor oferta de emprego, é possível retornar mais rapidamente para o mercado de trabalho.


Ele também insiste na importância de se ter um fundo de reserva, seja qual for a situação.
“É importante traçar planos e ver que é preciso ter uma reserva para qualquer eventualidade. Poupar nunca fez mal a ninguém”, disse.

Jornal Midiamax