Geral

Sorteio das urnas para votação paralela acontece no sábado

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul realizará, hoje (30) às 9h, no Auditório do TRE, o sorteio das duas urnas para a votação paralela. Antecedendo o processo de votação, a cerimônia de sorteio escolhe aleatoriamente a zona eleitoral e em seguida a seção, respeitando a origem das urnas que obrigatoriamente deve ser […]

Arquivo Publicado em 30/10/2010, às 11h16

None

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul realizará, hoje (30) às 9h, no Auditório do TRE, o sorteio das duas urnas para a votação paralela. Antecedendo o processo de votação, a cerimônia de sorteio escolhe aleatoriamente a zona eleitoral e em seguida a seção, respeitando a origem das urnas que obrigatoriamente deve ser uma da capital e a outra do interior do estado.

Feito o sorteio, as urnas escolhidas são deslocadas para o Fórum Eleitoral da capital sob a guarda da Polícia Federal. Caso o equipamento esteja em alguma localidade distante, o TRE-MS solicita ao helicóptero da Policia Federal o transporte da urna.

Votação Paralela

Com a realização desse procedimento o TRE-MS dá início os preparativos da votação paralela que acontece no dia da eleição oficial e no mesmo horário, das 8h às 17h. Através da votação paralela a Justiça Eleitoral faz a auditoria do somatório dos votos e verifica se os dados estão de acordo com a urna eletrônica e se o voto digitado pelo eleitor é realmente computado na urna, demonstrando a confiabilidade do sistema. O processo ainda mostra para a população que o programa inserido nas urnas faz a soma corretamente.

Desde as eleições de 2002, a votação paralela vem sendo realizada por todos os TREs, em todo o país. Na semana que antecede o pleito, os fiscais dos partidos votam em cédulas de papel, as quais serão depositadas numa urna de lona. Ao todo são distribuídas 2 mil cédulas que se não utilizadas pelos partidos, são novamente distribuídas para a população, até que se totalize o número de cédulas. Em seguida, essa urna de lona será lacrada com a assinatura dos fiscais. No domingo, o primeiro passo será abrir a urna de lona, retirar uma cédula qualquer e digitá-la primeiro num programa no computador e, depois, nas urnas eletrônicas sorteadas.

Esse procedimento será acompanhado por uma comissão, formada por um juiz, servidores da Justiça Eleitoral, representantes do Ministério Público, e fiscais dos partidos e coligações. O trabalho será todo supervisionado por câmeras filmadoras de empresas contratadas pelo TRE-MS.

Ao final dessa votação, serão emitidos os boletins das urnas e o relatório do sistema do computador; os resultados devem ser idênticos já que o mesmo conteúdo das cédulas digitado no computador foi repassado nas urnas.

No total, 46 pessoas realizarão os trabalhos da Votação Paralela, sendo 26 servidores do Tribunal de Justiça do Estado, 15 servidores, 5 estagiários do TRE-MS, além dos observadores internacional que acompanharão parte dos trabalhos.

A votação paralela é aberta ao público podendo ser acompanhada pela imprensa, entidades representativas da sociedade, e a comunidade em geral.

Jornal Midiamax