Geral

Sobrenome causa constrangimetno a outros Nardoni

Quando a secretária do médico anunciou em voz alta o nome da próxima pessoa a ser atendida, todos que estavam na sala de espera passaram a olhar para a paciente. Ninguém a conhecia, mas o sobrenome soava familiar: Maria Nardoni. “As pessoas pararam para me ver, certamente achando que sou parente do Alexandre [Nardoni, condenado […]

Arquivo Publicado em 30/03/2010, às 02h54

None

Quando a secretária do médico anunciou em voz alta o nome da próxima pessoa a ser atendida, todos que estavam na sala de espera passaram a olhar para a paciente. Ninguém a conhecia, mas o sobrenome soava familiar: Maria Nardoni.


“As pessoas pararam para me ver, certamente achando que sou parente do Alexandre [Nardoni, condenado pela morte da filha, Isabella]”, conta a professora de 56 anos, que mora em São Paulo e trata logo de dizer que não é parente dele. “Depois de chamar meu nome, a primeira pergunta da mulher foi se eu era parente do Alexandre. Respondi que não e disse que ela estava me constrangendo.”


Segundo a professora, logo após o crime, em março de 2008, parentes dela chegaram a ser acusados de assassinos em ligações telefônicas anônimas.


“Nem sabia que existia outra família com o mesmo sobrenome em São Paulo. Meu avô veio da Itália e se estabeleceu no interior, só depois alguns descendentes vieram para São Paulo. O Alexandre não é da família, mas é comum as pessoas reagirem com desconfiança ao saberem meu sobrenome.”


“Tenho muita honra da minha família e sei que nada temos a ver com o crime. Mesmo se fôssemos parentes dele, não teríamos responsabilidade sobre o crime. Mas tivemos que nos habituar a essa reação das pessoas”, diz a professora.


A assistente administrativa Cláudia Nardoni, 39, conta que também é alvo de olhares de reprovação de quem descobre seu sobrenome. “Quando soube do crime, fui pesquisar se havia algum parentesco com o Alexandre, mas não tem. Minha família é do Paraná e tenho poucos parentes morando em São Paulo. Não conhecemos a família do Alexandre”, diz.


A irmã dela, a contadora Maria Luíza Nardoni, 51, também já viveu constrangimentos devido ao sobrenome. “Quando a gente vai comprar alguma coisa e paga com cartão, ao entregá-lo ao vendedor já ficamos esperando a reação. Ele lê o nome, identifica o sobrenome e dá uma olhadinha pra gente.”

Jornal Midiamax