Geral

País tem 148 instituições públicas de ensino superior com sistema de cotas

São 148 as instituições públicas de ensino superior do País que adotam algum tipo de cota em seus processos seletivos. A maioria das políticas de reserva de vagas identificadas é socioeconômica, mas uma parte é de cotas raciais – especialmente para negros. O levantamento, obtido com exclusividade pelo Estado, foi feito pela entidade Educação e […]

Arquivo Publicado em 17/07/2010, às 13h19

None

São 148 as instituições públicas de ensino superior do País que adotam algum tipo de cota em seus processos seletivos. A maioria das políticas de reserva de vagas identificadas é socioeconômica, mas uma parte é de cotas raciais – especialmente para negros. O levantamento, obtido com exclusividade pelo Estado, foi feito pela entidade Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes (Educafro).


Enquanto o projeto que prevê 50% das vagas para alunos de escolas públicas e para negros tramita no Congresso, as universidades têm autonomia para criar seus próprios sistemas de cotas. Entre os vários tipos de ações há reserva de vagas para negros, quilombolas, indígenas, ex-alunos de escola pública, pessoas com deficiência, filhos de policiais mortos em serviço, estudantes com baixa renda familiar, professores da rede pública e residentes da cidade onde se localiza a instituição. O aumento de nota nas provas de seleção para determinados grupos também é considerado em grande parte das universidades públicas.


O estudo mapeou ações afirmativas no Distrito Federal e nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Amazonas, Roraima, Pará, Acre, Tocantins, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe, Ceará, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Defensores das cotas comemoraram a adesão das universidades. “A mobilização dos negros para o debate das cotas está movimentando outros setores”, diz frei David Raimundo dos Santos, da Educafro.


Para ele, o principal desafio está nas grandes universidades, como a Universidade de São Paulo, que oferece, por meio do Programa de Inclusão Social da USP, o acréscimo na nota do vestibular para candidatos do ensino médio público. Para Rafael Ferreira Silva, professor e pesquisador de ações afirmativas, as cotas são necessárias para suprir as desigualdades socioeconômicas do País. “Temos de resgatar as consequências de fatos históricos como a escravidão e a abolição. As diferenças são extremas”, diz. Para Valter Silvério, da Universidade Federal de São Carlos, a adesão das instituições se deve também ao respaldo popular que as ações afirmativas apresentam. “Os diferentes tipos de cotas refletem que as universidades estão discutindo seus próprios perfis.” Preconceito.


A advogada Allyne Andrade, de 24 anos, que ingressou na Universidade do Estado do Rio de Janeiro pelo sistema de cotas, diz que ainda existe preconceito no ambiente acadêmico. “Muitos professores achavam que a qualidade do ensino ia cair. A sociedade é racista.” Apesar de ser cotista, Maria de Lourdes Aguiar, de 24 anos, estudante de Medina da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, critica o sistema. “Eu apoio até um certo limite, porque isso pode acabar tampando o sol com a peneira”, opina. José Carlos Miranda, do Movimento Negro Socialista, concorda. “Isso mostra a incompetência do Estado, que não oferece educação básica de qualidade”, diz. “Cotas só são boas para quem usufrui delas. Elas não acabam com o racismo nem melhoram a mobilidade social.


Motivo para comemorar é quando um estudante pobre entra na universidade pública sem cota.” Ações afirmativas Cotas raciais Consistem em reservar parte das vagas da instituição de ensino superior para candidatos que sejam afrodescendentes ou indígenas, por exemplo. Cotas sociais São a reserva de vagas do vestibular para alunos formados em escolas públicas, pessoas com algum tipo de deficiência, estudantes com baixa renda familiar ou professores da rede pública, entre outros. Bônus É o acréscimo de pontos, por meio de valores fixos ou de porcentagens, na nota do vestibular de candidatos de determinadas condições sociais. 

Jornal Midiamax