Geral

Mercado de trabalho tem cada vez mais mulheres, aponta o IBGE

A queda do desemprego nos últimos anos significou uma redução de 752 mil pessoas à procura de emprego, de 2003 a 2009. A população desocupada caiu 28,7% nesse período. Ao mesmo tempo, a população ocupada aumentou 14% ao longo dos últimos sete anos, de acordo com dados da PME (Pesquisa Mensal de Emprego), divulgada nesta […]

Arquivo Publicado em 28/01/2010, às 13h33

None

A queda do desemprego nos últimos anos significou uma redução de 752 mil pessoas à procura de emprego, de 2003 a 2009. A população desocupada caiu 28,7% nesse período. Ao mesmo tempo, a população ocupada aumentou 14% ao longo dos últimos sete anos, de acordo com dados da PME (Pesquisa Mensal de Emprego), divulgada nesta quinta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).


Ao longo dos últimos anos, foi constatado crescimento significativo de mulheres no mercado de trabalho. Elas representaram 45,1% da população ocupada em 2009, ou seja, 9,6 milhões de mulheres estavam empregadas nas seis regiões metropolitanas pesquisadas pelo IBGE. Em relação a 2003, a participação delas cresceu 19,4%. Naquele ano, as mulheres significavam 43% (8 milhões de pessoas) da população ocupada.

A taxa de desemprego entre as mulheres foi de 9,9% em 2009, ante 10% no ano anterior. Já entre os homens, houve aumento de desocupados. Em 2009, 6,5% da população economicamente ativa masculina estava desempregada. Em 2008, essa proporção era de 6,1%.

A PME observou também aumento do contingente de trabalhadores com mais de 50 anos de idade. Em 2009, as pessoas dessa faixa etária representaram 20,9% da massa empregada nessas regiões, o que significa incremento de 42% frente a 2003.

Os dados de 2009 demonstram ainda que as pessoas com maior escolaridade ocupam cada vez mais espaço no mercado de trabalho. No ano passado, os trabalhadores com 11 anos ou mais de estudo representaram 57,5% dos ocupados. Em 2003, essa proporção era de 46,7%.

Em 2009, 66,8% dos trabalhadores contribuíram para a previdência, percentual recorde desde 2003, quando 61,2% estavam enquadrados nesse quesito. Em valores absolutos, observou-se queda sobre 2008. No ano passado, 14,2 milhões de pessoas contribuíram para a previdência, ante 14,3 milhões no ano anterior.

Já entre a população desocupada, o IBGE destaca que houve aumento de 26,6% entre as pessoas com nível superior, de 2008 para 2009.

Jornal Midiamax