Geral

Lenine e Curimba se apresentam no Canta Brasil

A Brasilidade e a musicalidade versátil de Lenine vão ser apresentadas na segunda edição de 2010, do projeto MS Canta Brasil, neste domingo (4). O evento, realizado pela Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), trará ainda para representar a cultura regional a banda Curimba. Os shows acontecem a partir das 17h30, no Parque […]

Arquivo Publicado em 30/03/2010, às 16h20

None

A Brasilidade e a musicalidade versátil de Lenine vão ser apresentadas na segunda edição de 2010, do projeto MS Canta Brasil, neste domingo (4). O evento, realizado pela Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS), trará ainda para representar a cultura regional a banda Curimba. Os shows acontecem a partir das 17h30, no Parque das Nações Indígenas. A entrada é franca.



   Cantor, compositor, arranjador, músico e produtor. Lenine tornou-se uma personalidade da música brasileira, reconhecida pelo grande público, pela imprensa, por artistas e multiplicadores de opinião. O som inovador transpõe as fronteiras do Brasil e as turnês costumam passar por dezenas de países.


Lenine foi para o Rio de Janeiro no final dos anos 70, início dos 80. Naquela época havia pouco espaço ou recursos para música em Recife. Para ele o Rio seria uma possível ou provável oportunidade de crescimento. Morou com alguns amigos, compositores, que são até hoje seus parceiros em tudo. Compunham e criavam, tentando sobreviver numa época em que o som do grupo era uma mistura do regional com MPB e o mercado só trabalhava com o rock.


As músicas de Lenine foram gravadas por muitos talentos que permeiam todos os tipos de som. Elba foi a primeira a gravar uma canção sua, depois vieram Fernanda Abreu, O Rappa, Milton Nascimento, Maria Rita, Maria Bethânia e muitos outros que confirmaram que sua verdadeira vocação é a composição. Produziu os CDs “Segundo”, de Maria Rita; “De uns tempos pra cá”, de Chico César; “Lonji”, de Tcheka, cantor e compositor do Cabo Verde e “Ponto Enredo”, de Pedro Luis e a Parede.


Trabalhou também em televisão com diretores como Guel Arraes e Jorge Furtado. Para eles fez a direção musical de “Caramuru a Invenção do Brasil”, que depois de minissérie, virou um longa-metragem. Fez ainda a direção musical de “Cambaio”, musical de João Falcão e Adriana Falcão, baseado em canções de Chico Buarque e Edu Lobo.


De todos os seus CDs, eleje o “Olho de Peixe” como o mais importante de sua carreira, porque foi com ele que descobriu que a música poderia levá-lo a qualquer lugar. Entre os álbuns do artista, figuram “Baque Solto”, em parceria com Lula Queiroga (Polygran); ”Olho de peixe”, em parceria com o percussionista Marcos Suzano; “O Dia em que Faremos Contato”, seu primeiro disco solo (BMG); “Na Pressão” (BMG); “Falange Canibal” (BMG); “Lenine InCité” – CD e DVD, gravado ao vivo em Paris, na Cité de La Musique; “Lenine Acústico MTV” (Sony BMG) e “Labiata” (Universal).


Curimba


Formada em 2008, o som da banda Curimba é novidade na música campo-grandense. A banda nasceu e cresceu no cenário universitário: ficou em segundo lugar no 16º Festival Universitário da Canção (FUC), da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).


A Curimba é integrada por Adrian Okumoto no baixo, Carlixo na guitarra, Renan Okumoto no violão, Japão na bateria, Chicá na percussão e André Stábile no vocal. Grande parte do grupo tem descendência japonesa, mas seus integrantes defendem que a brasilidade independe do sangue para estar presente. “Nossa intenção é que nossas músicas autorais mostrem um pouco da cultura urbana de Campo Grande sem enfocar tanto o Pantanal como tema das composições”, explica Adrian.


O grupo musical tem como influências o samba, o rap, o rock, o funk e o reggae. “Nossas letras falam de gente comum e exploram os elementos urbanos do Estado, conhecido nacionalmente por suas belezas naturais”, destaca o vocalista. A Curimba toca também versões de artistas nacionais como Pedro Luis e a Parede, Novos Baianos, Caetano Veloso, Martinho da Vila, Jorge Bem, Vinicius de Moraes e Tom Jobim.


MS Canta Brasil



Vanessa da Mata e Chalana de Prata inauguraram o projeto MS Canta Brasil em outubro de 2007. O evento promove a integração das músicas nacional e regional, levando para o palco, montado próximo ao lago do Parque das Nações Indígenas, um artista de renome nacional e outro local. O MS Canta Brasil acontece sempre no primeiro domingo de cada mês.



 Pelo palco do projeto já passaram: Vanessa da Mata e Chalana de Prata; Papas na Língua – Renato Borgueti e Tropeiros da Querência; Alceu Valença e Bojo Malê; Zeca Baleiro e Jerry Espíndola; Mart´nália e Jucy Ibañez; Zélia Duncan e Olho de Gato; Chico Cézar – Arnaldo Antunes, Carlos Colman; Nando Reis e Geraldo Espíndola; Zé Ramalho e Filho dos Livres, Adriana Calcanhoto e Marcelo Loureiro; Jorge Vercillo e Guilherme Rondon; Fafá de Belém e Bêbados Habilidosos; Frejat e Bando do Velho Jack; Fernanda Takai e Agemaduomi; Paralamas do Sucesso e Velho do Rio; Moraes Moreira e Lia Mayo; Banda Moinho – Nikolas Krassik e Banda Grass, Seu Jorge e Balaio Jazz; Jorge Benjor e Simona; Ney Matogrosso e Léo Verão e Daniel Freitas, Elba Ramalho e Zezinho do Forró e Biquini Cavadão e Delay.

Jornal Midiamax