Geral

Estevam Soares não resiste à goleada e é demitido do Botafogo

No dia seguinte à goleada de 6 a 0 aplicada pelo Vasco, no Engenhão, o semblante alvinegro em General Severiano era de pura vergonha. Jogadores e comissão técnica do Botafogo se reuniram por uma hora antes do treino, na manhã de segunda-feira, atrás de cobranças e explicações. Ameaçado no cargo, o técnico Estevam Soares teve […]

Arquivo Publicado em 26/01/2010, às 01h25

None

No dia seguinte à goleada de 6 a 0 aplicada pelo Vasco, no Engenhão, o semblante alvinegro em General Severiano era de pura vergonha. Jogadores e comissão técnica do Botafogo se reuniram por uma hora antes do treino, na manhã de segunda-feira, atrás de cobranças e explicações. Ameaçado no cargo, o técnico Estevam Soares teve o apoio dos jogadores, mas não resistiu.

Ao lado do treinador, deixaram o clube o auxiliar Gerson Sodré e o preparador físico Lino Fachini. Estevam Soares comandou a equipe em 30 partidas, com 11 vitórias, oito empates e 11 derrotas. Ele havia chegado ao Botafogo em agosto do ano passado, substituindo Ney Franco.

– Sinto muito pela saída, pois tínhamos um planejamento para este ano. O trabalho estava começando e os resultados viriam conforme o andamento da competição – comentou Estevam Soares.

A diretoria alvinegra já trabalha com novos nomes. Joel Santana, Alexandre Gallo e Celso Roth têm chances de assumir o cargo. Joel tem a preferência dos dirigentes. Gallo também está próximo (esteve no Engenhão acompanhando o clássico contra o Vasco). Roth corre por fora.

Antes ainda da confirmação da demissão de Estevam Soares, os jogadores alvinegros passaram para os dirigentes que a culpa pelo humilhante resultado foi de responsabilidade de quem entrou em campo. Eles alegaram que Estevam não poderia ser o único culpado. Parece que a diretoria não teve a mesma opinião.

– Nós, jogadores, nos reunimos e assumimos os erros pela derrota. O Estevam está isento de qualquer culpa. – afirmou o goleiro e capitão Jefferson.

Reconquistar a torcida

Abalado, o lateral Marcelo Cordeiro sabe que a partir de agora os jogadores terão de cortar um dobrado para conquistar novamente a confiança do torcedor.

– Só nos resta pedir desculpas aos torcedores. Mas vamos dar a volta por cima, pois há um grupo de homens aqui.

Jornal Midiamax