Geral

Dedicação aos estudos é exigências para quem quer entrar no serviço público

A vida de quem pretende ingressar na carreira pública requer dedicação e aumento das horas diárias de estudo. O mercado de escolas preparatórias para concursos em Brasília tem levado jovens recém-formados a abrir mão do convívio com a família e os amigos em busca, no menor tempo possível, de uma vaga no setor público. Em […]

Arquivo Publicado em 28/10/2010, às 15h25

None

A vida de quem pretende ingressar na carreira pública requer dedicação e aumento das horas diárias de estudo. O mercado de escolas preparatórias para concursos em Brasília tem levado jovens recém-formados a abrir mão do convívio com a família e os amigos em busca, no menor tempo possível, de uma vaga no setor público.

Em Brasília, a escola Gran Cursos dispõe de estrutura que vai além das salas de aula tradicionais. Bibliotecas, salas de estudo e restaurante compõem o cenário para que o estudante organize os seus horários ao longo do dia.

A administradora Nathália Villela, há dez meses na rotina de estudos, acredita que embora o esforço e a dedicação sejam importantes, é preciso conciliar as atividades sociais e ter momentos de descanso.

“O estudo é intenso. Tenho aulas de manhã e à noite. Durantes as tardes, faço revisão das matérias. Mas, apesar dessa rotina pesada, procuro organizar meu tempo e manter o convívio social. A mente e o corpo precisam descansar nesse clima de tensão”, explica.

O diretor-presidente do grupo Gran Cursos, José Wilson Granjeiro, afirma que os investimentos do concurseiro são razoáveis, se for levado em consideração que o valor das remunerações é superior ao aplicado nos estudos.

“Um concurseiro hoje investe de seis meses a um ano para passar em concursos de nível médio, com salários de R$ 3 mil a R$ 4 mil, podendo chegar a R$ 9 mil. Para os cargos de nível superior, os investimentos giram em torno de R$ 6 mil a R$ 12 mil, em períodos de no máximo quatro anos para postos com renumeração inicial de R$ 21 mil. Esses valores aplicados podem ser resgatados com o primeiro salário”, diz.

Granjeiro explica ainda que o mundo dos concursos está em expansão por conta dos eventos que o Brasil vai sediar nos próximos anos, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Para atender à demanda, o governo deve fazer seleções nos setores do turismo, infraestrutura e planejamento.

Atualmente, o Brasil tem 2.039.499 servidores públicos federais. Quase metade tem nível superior.

Jornal Midiamax