Chefe de agência é demitido por atraso no alerta de tsunami no Chile

A Marinha do Chile destitui nesta sexta-feira o diretor do Serviço Hidrográfico e Oceanográfico, comandante Mariano Rojas, por não ter entregue informação clara e precisa sobre o perigo iminente de tsunami após o terremoto de magnitude 8,8 que atingiu o país no último dia 27. “O Comandante-em-chefe da Marinha resolveu retirar de seu cargo o […]
| 05/03/2010
- 21:48
Chefe de agência é demitido por atraso no alerta de tsunami no Chile

A Marinha do Chile destitui nesta sexta-feira o diretor do Serviço Hidrográfico e Oceanográfico, comandante Mariano Rojas, por não ter entregue informação clara e precisa sobre o perigo iminente de tsunami após o terremoto de magnitude 8,8 que atingiu o país no último dia 27.

“O Comandante-em-chefe da Marinha resolveu retirar de seu cargo o diretor do Serviço Hidrográfico e Oceanográfico da Marinha”, diz um comunicado oficial.

Segundo um documento obtido pelo jornal “El Mercurio”, os militares não dispararam o alarme de alerta contra tsunamis logo após o terremoto porque consideraram que não havia riscos –já que o epicentro foi em terra.

Ao perceber-se que se tratava de um maremoto, o alerta foi declarado, mas acabou sendo suspenso quando as ondas gigantes já se dirigiam para a costa. Depois do sismo, ondas de até 15 metros arrasaram cidades costeiras, ilhas e portos. Em algumas zonas, a água avançou mais de 2 quilômetros terra adentro, causando a morte de centenas de pessoas.

Muitas autoridades de cidades costeiras especulam que o número de mortos pelas ondas gigantes foi até maior que os mortos pelo tremor.

A Marinha do Chile reconheceu nesta semana que seu serviço oceanográfico não foi claro ao alertar a presidente Michelle Bachelet sobre a iminência de um tsunami. “A presidente telefonou para ver se seria mantido o alerta. Nós fomos pouco claros na informação que entregamos a ela”, disse o chefe da Marinha, almirante Edmundo González, à emissora de TV estatal.

No texto, a Marinha diz ainda que iniciou uma investigação técnica “para determinar as responsabilidades e esclarecer as circunstâncias derivadas do processo de tomada de decisões, assessoria e desempenho técnico dos níveis distintos que acionaram como resposta à catástrofe natural”.

A Marinha nomeou ainda o comandante Patricio Carrasco para o cargo.

Últimas notícias