Geral

André apresenta quarta tentativa de explicação para escândalo de propinas em MS e coloca aliados na mira

Vídeo de Ary Rigo contando que "devolve" R$ 2 milhões por mês em dinheiro para Puccinelli, além de supostas propinas pagas a membros do judiciário, é destaque nacional. Humorístico CQC ironizou tentativas de explicações dos políticos sul-mato-grossenses.

Arquivo Publicado em 28/09/2010, às 12h40

None

Vídeo de Ary Rigo contando que “devolve” R$ 2 milhões por mês em dinheiro para Puccinelli, além de supostas propinas pagas a membros do judiciário, é destaque nacional. Humorístico CQC ironizou tentativas de explicações dos políticos sul-mato-grossenses.

Enquanto André Puccinelli (PMDB) apresenta a quarta versão para tentar explicar a declaração do deputado Ary Rigo, membro da Mesa Diretora da Assembleia, de que “devolvia” R$ 2 milhões por mês para o governador de Mato Grosso do Sul, o escândalo de propinas no Parque dos Poderes continua em destaque nacional.


As confissões do deputado estadual Ary Rigo (PSDB) gravadas em operação da Polícia Federal foram parar no quadro “top five” do programa humorístico CQC, da Rede Bandeirantes de Televisão desta segunda-feira (27).


O “top five” reúne cinco fatos relevantes que ganham destaque nas redes sociais, e o suposto esquema de corrupção entre os três poderes de Mato Grosso do Sul foi citado na terceira posição. Os apresentadores ironizaram a tentativa de explicações de Ary Rigo, que reuniu a imprensa para uma coletiva e negou tudo.


“Nunca imaginei que um cara do prefeito, que era próximo, um companheiro, fosse me gravar. E mesmo se eu soubesse, teria dado é uma cadeirada nele”, vociferou contra o ex-secretário de governo da Prefeitura de Dourados, Eleandro Passaia, que fez o flagrante com autorização da Polícia Federal.


Mil pessoas no centro da Capital


Em Mato Grosso do Sul, setores da imprensa estranhamente estão minimizando a cobertura aos protestos que exigem a investigação do suposto esquema de propinas no Parque dos Poderes. A coligação “Amor, Trabalho e Fé”, do governador André Puccinelli, implicado no escândalo, diz que há uso eleitoral nas denúncias, flagradas em conversa com um aliado dele mesmo!


“Não somos contra A ou B. Somos contra a corrupção. Talvez eu acabe votando nulo. Está explícito que está tudo errado”, disse o acadêmico de mecatrônica da UCDB, Gabriel Torrecilha, 19 anos, que participava de uma manifestação ontem (27) com quase mil pessoas no centro de Campo Grande. Alguns veículos de comunicação sequer noticiaram o fato.


“R$ 2 milhões para o André”


 O governador e candidato à reeleição André Puccinelli (PMDB), colocado no centro do escândalo de propinas no Parque dos Poderes após o deputado Ary Rigo dizer em vídeo que “devolvia” R$ 2 milhões por mês para o governador em dinheiro, tentou se esquivar jogando a culpa no primeiro-secretário da Assembleia Legislativa.


Agora ele declarou Rigo como inimigo e partiu para a quarta tentativa de explicação sobre as declarações do primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, que contou detalhadamente como devolvia “em dinheiro” R$ 2 milhões por mês para Puccinelli.


Após ter dito que a devolução citada pelo deputado seria de sobras nos recursos repassados pelo governo para a Assembleia, em entrevista coletiva Puccinelli piorou a própria situação trocando de versão. Ele percebeu que não houve repasses como chegou a dizer para a Rede Globo de Televisão. 


Na mesma coletiva, disse que ia representar judicialmente contra Ary Rigo, que “teria de se explicar sobre as declarações”. Mas todo o desprezo não combina com o grau de envolvimento dos dois mostrado em vídeos da própria campanha eleitoral da coligação “Amor, Trabalho e Fé” como o postado em www.youtube.com/watch?v=Z8k2rfspEF8.


André: “Rigo é um homem de palavra”


O governador André Puccinelli é efusivo em vídeo da capanha disponível no Youtube para pedir voto para o deputado Ary Rigo. O candidato à reeleição destaca a “competência e lealdade” de Rigo e sua importância para a Assembleia e para o Mato Grosso do Sul.

Jornal Midiamax