Geral

“PT no governo é um desastre”, diz Carlos Marun

O candidato afirmou que o PT só serve para fazer oposição, e que quando chega no governo tudo vira uma calamidade. Em sua opinião, o sucesso do governo petista no RS é uma exceção!

Arquivo Publicado em 01/01/2000, às 12h00

None

O candidato afirmou que o PT só serve para fazer oposição, e que quando chega no governo tudo vira uma calamidade. Em sua opinião, o sucesso do governo petista no RS é uma exceção!

O candidato ao governo do Estado pela coligação “Frente Ampla”, Carlos Marun (PTB), disse há pouco, durante debate com produtores rurais na Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), em Campo Grande, que “PT no governo é um desastre”. “Alguns podem citar o sucesso do governo petista do Rio Grande do Sul, mas ele é exceção. O PT tem que voltar a fazer o que faz melhor: oposição. Quando chega no governo é uma calamidade”, acrescentou o petebista, em mais um de seus ataques ao governador do Estado, Zeca do PT, candidato à reeleição.

MARISA – O candidato disse aos produtores rurais que tem “consciência que não é o candidato do prefeito de Campo Grande, André Puccinelli (PMDB), já que ele é um homem de partido e tem mesmo que apoiar a candidata de sua coligação (Marisa Serrano)”.

“Só que eu é que participei da administração dele. Quem acordou 4h da manhã para evitar invasões de sem-terra fui eu. Eu é que estava em pé às 5h da manhã para fiscalizar obras com o prefeito. Por isso eu tenho condições reais e práticas de levar essa filosofia de administração para todo o Estado”, desabafou.

FUNDERSUL – O candidato disse também que a escolha de Tereza Cristina (PFL), que é candidata à vice pela sua chapa, engenheira agrônoma e produtora rural afastada temporariamente da diretoria da Famasul para a campanha eleitoral, “pode assustar alguns e causar desconfiança, já que o governador Zeca do PT escolheu como seu vice, em 1998, um produtor rural (Moacir Kohl), e a única coisa que fez pela classe foi o Fundersul”, ironizou o petebista, apoiado pelos risos da platéia formada em sua maioria por produtores rurais, bastante insatisfeitos com o imposto.

“Ao invés de servir para tapar buracos nas estradas, o Fundersul está servindo para tapar a boca de gente que não faz oposição”, atacou o candidato, referindo-se à grande quantidade de deputados estaduais que passaram “para a banda” do governador Zeca do PT. “Em nome da governabilidade, Zeca, que elegeu 2 ou 3 deputados, hoje tem mais de 20 em suas mãos e com eles faz conchavos e acordos”, afirmou Carlos Marun.

IDATERRA – Quanto ao Idaterra, Marun reafirmou sua posição, dizendo que o órgão “ainda não mostrou a que veio”. “O Idaterra não foi nem uma boa idéia”, atacou.

A proposta do candidato é reativar a antiga Empaer (Empresa de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural). De acordo com ele, o Idaterra deixou o pequeno produtor e os agricultores de assentamentos totalmente desassistidos. “Temos várias universidades e nossa proposta é fazer uma parceria, terceirizando a pesquisa e municipalizando a assessoria aos pequenos”, opinou o candidato.

Jornal Midiamax