Geral

Acordo reedita aliança Muda MS

O recuo da candidatura de Geraldo Resende (PPS) ao Senado levou a um novo desenho do quadro eleitoral

Arquivo Publicado em 01/01/2000, às 12h00 - Atualizado em 17/07/2020, às 23h53

None

O recuo da candidatura de Geraldo Resende (PPS) ao Senado levou a um novo desenho do quadro eleitoral

Após mais de um mês de discussões, o Partido dos Trabalhadores e a Frente Trabalhista (PPS/PTB e PDT) fecharam um acordo. O Movimento Muda MS, que elegeu em 1998 o governador José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, está mantido e ampliado com as adesões do PTN, PL e PSL.

No início da semana, o Jornal Midiamaxnews já havia adiantado o recuo da candidatura de Geraldo Resende (PPS) ao Senado, o que levou a um novo desenho do quadro eleitoral. A decisão foi fundamental para se fechar o acordo. O vice-governador Moacir Kohl (PDT) tentará a vaga de senador, como foi confirmado no encontro há pouco na Assembléia Legislativa.

Ainda havia dúvidas com relação aos candidatos do PT. O ex-secretário de Habitação de Infra-estrutura, Delcídio do Amaral, deve ser confirmado também como candidato ao Senado. Mas, o prefeito de Dourados, Laerte Tetila, da Ala Esquerda do partido, tentará amanhã lançar o nome de Egon Krakhecke.

Há expectativa quanto a uma votação, a ser realizada amanhã à noite, para escolha do candidato a vice-governador entre o empresário Pedro Teruel e o deputado federal Ben-Hur Ferreira.

A Frente Trabalhista e o PT não estarão coligados formalmente, pois ambos têm candidatos próprios a presidente da República. A verticalização definida pelo Tribunal Superior Eleitoral impede a união das legendas nos Estados. O apoio será no palanque, assim como deve ocorrer com o ex-governador Pedro Pedrossian (PST) e a candidata à governadora Marisa Serrana (PSDB).

Jornal Midiamax