Com mais dois recordes quebrados pelo argentino Germán Cano, o venceu o Red Bull Bragantino, por 1 a 0, neste domingo à tarde no estádio Nabi Abi Chedid, pela 38ª rodada do Campeonato Brasileiro. Apesar da vitória, o time carioca não atingiu o seu objetivo, que era terminar a temporada como vice-campeão.

Acabou em terceiro lugar, com 70 pontos, três atrás do Internacional que venceu por 3 a 0 o campeão Palmeiras, no estádio beira-rio.

Mesmo com a derrota, o Red Bull Bragantino ainda conseguiu uma vaga na próxima Copa Sul-Americana, porque terminou com 44 pontos em 14º lugar. Contou com a ajuda do Cuiabá que venceu por 2 a 0 o Coritiba, na Arena Pantanal. O time paranaense terminou com 42 pontos, em 15º, e sem a vaga.

Esta boa campanha do Fluminense deve ser creditada, em grande parte, ao artilheiro Germán Cano, que quebrou mais dois recordes nesta tarde quando completou 70 jogos com a camisa do tricolor carioca. Ele é o recordista do Brasileiro na ‘Era de Pontos Corridos', que existe desde 2006. Com 26 gols, ele superou Gabriel, que tinha a marca de 25 gols pelo em 2019. Além disso, atingiu o recorde de 44 gols na mesma temporada, superando Neymar, com 43, em 2012 pelo Santos, e Gabriel, com 43 gols em 2019, pelo Flamengo.

Aos 34 anos, Cano não lamenta estar fora da lista dos 55 nomes pré-convocados para a seleção argentina que vai à Copa do Mundo do Catar. Prefere desfrutar o presente. “Esta é a melhor temporada na minha carreira, fruto de muito trabalho. Sofri muitas tristezas no passado, mas soube superar tudo e agora posso aproveitar este momento ao lado da minha família, do meu filho e curtir o Maracanã, que é um lugar especial.”

O Fluminense começou melhor e em menos de dez minutos já tinha finalizado três vezes com perigo no gol defendido por Cleiton. Uma vê com Cano, confirmando sua de gols. O Bragantino pouco ameaçava, porém, num estourão quase teve um pênalti a seu favor aos 24 minutos.

Cleiton deu um chutão que pegou a defesa carioca desmontada. Artur saiu em disparada e dentro da área foi empurrado pelas costas por Alexsander. O árbitro Jean Pyerre Gonçalves Lima anotou pênalti, mas errou ao dar cartão amarelo para Manoel. Chamado pelo VAR, o árbitro foi alertado sobre uma falta no lance, ainda no meio do campo, de Alerrandro em cima de Nino. Pênalti e cartões foram anulados após quatro minutos.

Na saída de bola, Arias fez a jogada pelo lado direito e fez o passe lateral para Cano, na linha da grande área pelo lado esquerdo. Com naturalidade ele só precisou dar dois toques na bola com o pé esquerdo: ajeitou e bateu cruzado. A bola saiu rasteira, tocou no pé da trave esquerda e entrou. Fluminense, 1 a 0, aos 30 minutos.

O time da casa só teve uma chance de empatar aos 45 minutos, numa falta cobrada por Luan Cândido na frente da área. Ele chutou no canto direito e Fábio esticou a mão para por a bola em escanteio.

No segundo tempo, o Fluminense foi mais cauteloso, até mesmo sabendo da fragilidade ofensiva do adversário. Mesmo assim, Artur quase empatou aos 24 minutos quando entrou na área livre e bateu forte para a grande defesa de Fábio.

O técnico Fernando Diniz também usou bem suas cinco substituições, dosando o ritmo do time em campo com as entradas dos experientes Felipe Melo e David Braz. Aos 36 minutos premiou seu maior artilheiro com um descanso, tirando Cano para a entrada de Alan. O argentino saiu muito aplaudido pela torcida tricolor presente no estádio.