Esportes

Eurico pede desculpas por confusão na Colina e culpa grupos políticos

 Se justificou dizendo que tomou todas as medidas

Diego Alves Publicado em 09/07/2017, às 01h10

None

 Se justificou dizendo que tomou todas as medidas

Após as lamentáveis cenas após o clássico entre Vasco e Flamengo, em São Januário, neste sábado, Eurico Miranda convocou uma coletiva para pedir desculpas pelo ocorrido no estádio. O presidente do clube se justificou dizendo que tomou todas as medidas para a segurança da partida e que isso não foi coisa da torcida cruz-maltino, mas de vândalos. Eurico pede desculpas por confusão na Colina e culpa grupos políticos

– Eu quero pedir desculpa. Eu quero deixar uma coisa bem clara: nós tomamos todas as providências para que isso não acontecesse. Eu cheguei a sugerir que o jogo fosse com torcida única, mas não consegui. A PM não aceitou. Vou reiterar meu pedido formal de desculpas, não aos vândalos que fizeram isso, mas à imensa torcida do Vasco que presenciou as cenas lamentáveis, e também aos outros torcedores que podem formar uma imagem de São Januário que não é verdadeira. É um pedido oficial de desculpas do Vasco pelas cenas lamentáveis que aconteceram em São Januário – disse o mandatário vascaíno. 

Eurico atribuiu a confusão e os acontecimentos de violência a questões políticas. Segundo o dirigente, isso era algo que já estava sendo preparado por grupos políticos com o objetivo de desestabilizar o futebol do clube. 

– Isso é algo que me parece, quer dizer, tenho certeza que é algo que já estava preparado. Vinha sendo feito para que nós tivéssemos… Na primeira derrota aqui em São Januário, já houve alguma coisa contra o Corinthians. Então uma série de fatores contribuíram para essas cenas (…) Isso foi premeditado. Isso não é torcida organizada. É grupo político. Normalmente essas coisas são financiadas por alguém. Só visa a desestabilizar o futebol. Com o futebol indo mal, aí eles podem começar a aparecer – comentou Eurico, destacando o clima político que já existe dentro do clube por conta das eleições no final do ano. 

– Não há justificativa nenhuma para a gente numa semana de Vasco e Flamengo, ao invés de falar do Vasco, se fala de oposição ou posição. Por que isso? O time do futebol está mal? Está em sexto lugar ou estava, não sei como vai ficar. Por que na semana desse jogo, ao invés de se falar do jogo, o assunto interessante passa a ser movimentos políticos – completou. 

Durante a confusão, muitas bombas foram jogadas no campo pelos torcedores vascaínas. O presidente garante que isso ocorreu por conta de uma falha na revista durante a entrada no estádio. Ele descartou as chances de os artefatos estarem guardados no clube por torcidas organizadas. 

– Chance zero (de os artefatos estarem guardados dentro do clube). Explicar é que a revista foi mal feita. Isso não é falha do Vasco, mas da PM. Aqui não ha hipótese para que se tenha guardado qualquer tipo de coisa de torcida organizada aqui no clube. Se isso entrou no estádio, não foi culpa do clube. Eu tenho contrato e pago o mesmo número de seguranças que tem no Maracanã. Segurança a gente procura dar a segurança. Se a gente não tivesse tomado todas as medidas preventivas, tudo bem. Mas tenho certeza que tomamos todas as medidas. Podem checar que todas as medidas forem tomadas.

Jornal Midiamax