Esportes

Brasil encerra ‘seca’ de 200 minutos, goleia e evita vexame

Goleada de 4 a 0 em Salvador

Diego Alves Publicado em 11/08/2016, às 01h57

None
57abda122c814_1.jpeg

Goleada de 4 a 0 em Salvador

Sabe aquela Seleção que não fazia gols? Marcou quatro. E o time que jogava mal e estava prestes a ser eliminado? Agora tem a melhor defesa da Olimpíada e está as quartas de final. Mas… e as vaias? Na Fonte Nova, foram ouvidas só quando a Dinamarca tinha a bola. Tudo mudou e, enfim, o Brasil "estreou" na Rio-2016. Com grande atuação e goleada por 4 a 0, em Salvador, a equipe canarinho deu mostras de que, sim, pode brigar pelo inédito ouro olímpico. 

Porém, se por um lado há novidades, por outro um filme se repete. Líder do Grupo A, a Seleção reeditará o duelo de quartas de final da Copa do Mundo, diante da Colômbia, sábado, às 22h, na Arena Corinthians. 

Mais do que alterações táticas ou melhora em fundamentos técnicos, a grande mudança do Brasil na noite desta quarta-feira foi a sinergia entre jogadores e torcida. Se nos dois jogos em Brasília criou-se um ciclo vicioso de pressão das arquibancadas e futebol ruim que só crescia com o passar do tempo, na capital baiana o "axé" foi outro. Mesmo não marcando o gol no início, a Seleção teve o apoio das arquibancadas e demonstrou que sentiu isso. Quando a rede finalmente balançou, aí as bolas entraram aos montes e houve até grito de "o campeão voltou". 

As trocas de Rogério Micale também surtiram efeito O emocional teve um peso enorme na reação, mas o treinador teve sua parcela de importância. Ele decidiu sacar Felipe Anderson e escalar Luan, deixando o Brasil com quatro atacantes. Neymar ficou mais centralizado, com os outros três homens de frente atrás dele, num 4-2-3-1 em que todo mundo se mexia quando o time tinha a posse de bola. 

Gabigol foi o responsável por abrir e fechar a porteira. Jesus, depois de perder diversas chances nesta e em outras partidas, desencantou. Luan também marcou o dele. E Neymar? Não é justo dizer que o camisa 10 passou em branco. O gol não saiu, mas o capitão teve grande atuação, distribuindo dribles e bons passes. O reconhecimento veio com abraço apertado de Micale no fim do jogo… 

A mudança, tão esperada, veio. Que fique! Faltam três passos para o sonho dourado. 

FICHA TÉCNICA 
DINAMARCA 0 X 4 BRASIL 
Local: Arena Fonte Nova, Salvador (BA) 
Data-Hora: 10/8/2016 – 22h 
Árbitro: Alireza Faghani (IRÃ) 
Auxiliares: Reza Sokhandan (IRÃ) e Mohammadreza Mansouri (IRÃ) 
Público/renda: Não disponíveis 
Cartões amarelos: Maxso (DIN), Gabriel Jesus (BRA) 
Cartões vermelhos: – 
Gols: Gabigol (26'/1ºT) (0-1), Gabriel Jesus (39'/1ºT) (0-2), Luan (4'/2ºT) (0-3) e Gabigol (35'/2ºT) (0-4) 

DINAMARCA: Jeppe Hojbjerg; Mikkel Desler (Kasper Larsen, aos 18'/2ºT), Pascal Gregor, Eddi Gomes e Jakob Blabjerg; Andreas Maxso, Jens Jonsson, Fredrik Borsting (Mathias Hebo, aos 38'/2ºT) e Lasse Vibe; Jacob Larsen e Brocx-Madsen (Robert Skov, no intervalo). Técnico: Niels Frederiksen. 

BRASIL: Weverton; Zeca (William, 28'/2ºT), Marquinhos (Luan Garcia, aos 38'/2ºT), Rodrigo Caio e Douglas Santos; Walace e Renato Augusto (Rodrigo Dourado, aos 33'/2ºT); Luan, Gabigol, Neymar e Gabriel Jesus. Técnico: Rogério Micale.

Jornal Midiamax