Esportes

Jornalista critica jogador do Azerbaijão e apanha até a morte. Atleta é preso

Rasim Aliyev postou texto em sua página criticando o ídolo local, Javid Huseynov

Clayton Neves Publicado em 11/08/2015, às 14h57

None
33b3t8f5uru9h83me9xzg6ho4.jpg

Rasim Aliyev postou texto em sua página criticando o ídolo local, Javid Huseynov

Um jornalista do Azerbaijão morreu no último domingo depois de ser espancado por um grupo de homens não identificados em Baku, capital do país. De acordo com a Turan, agência estatal de notícias do país, Rasim Aliyev, videoreporter de 30 anos, usou sua página no Facebook para criticar Javid Huseynov, um ídolo local do Qabala, após partida contra o Limassol, do Chipre, quinta-feira, dia 6, pela fase preliminar da Liga Europa. Nesta terça-feira, a Turan noticiou que depois do início da investigação, Huseynov foi preso por possível envolvimento na morte do jornalista.

Segundo a Turan, o grupo que espancou Aliyev não aceitou su crítica à atitude do jogador, que depois da vitória contra o time do Chipre por 1 a 0, comemorou o triunfo com uma bandeira da Turquia para provocar o rival. O Chipre vive uma disputa histórica contra a Turquia pelo território no norte do seu país que hoje é ocupado pelos turcos. O Limassol é do sul da ilha, e é contra a ocupação turca. 

Na postagem, Aliyev julgou que Huseynov ofendeu o time rival de forma desnecessária e que nunca mais deveria jogar competições europeias. Huseynov é titular da seleção do Azebaijão.

A Turquia foi um dos primeiros países a reconhecerem a independência do Azerbaijão após o fim da União Soviética e é uma importante aliada do país. Por isso, a atitude de Huseynov foi vista com bons olhos por boa parte da população do país, o que serviu de pano de fundo para a ação criminosa contra quem o criticou.

Internado após o espancamento, Aliyev disse à Turan que ele havia recebido ameaças em seu post e que havia sido contactado por telefone por um homem que se dizia ser primo do jogador. Ainda segundo a agência, o homem, depois de insultá-lo desligando o telefone, ligou de volta pedindo desculpas e para marcar um encontro no sábado.

“Eu saí sozinho e aí cinco ou seis homens se jogaram em cima de mim e começaram a me bater”, disse Aliyev no hospital à agência de notícias do Azerbaijão. O jornalista não conseguiu se recuperar dos ferimentos e morreu depois de cirurgia de emergência.

Jornal Midiamax