Esportes

Dupla de Ingrid supera “salto trauma” e surpreende com a prata

A dupla chegou a beliscar o ouro

Isaias Domingues Publicado em 13/07/2015, às 17h59

None
dupla.jpg

A dupla chegou a beliscar o ouro

As brasileiras Ingrid de Oliveira, de 19 anos, e Giovanna Pedroso, de 16, conquistaram a medalha de prata no Pan de Toronto nos saltos ornamentais nesta segunda-feira (13) na plataforma de 10 metros. A dupla chegou a beliscar o ouro, ao assumir a liderança da prova no quarto e penúltimo salto. No quinto, porém, uma nota mediana as tirou do topo, que ficou com as canadenses Meaghan Benfeito e Roseline Filion, que terminaram com 316,89 pontos contra 291,36 das brasileiras.

O favoritismo era todo das mexicanas Paola Espinoza (ouro também no individual) e Alejandra Orozco, que acabaram decepcionando e ficaram com o bronze (287,91). E a derrapada das rivais deu esperanças às brasileiras.

“Fomos brigar pelo terceiro e é um sonho pegar a prata”, admitiu Giovanna. “Depois do último salto, falei que tínhamos ficado em terceiro. Quando vi que era segundo, fiquei muito feliz”.

O nível da prova foi forte. A dupla mexicana, que foi deixada para trás pelas brasileiras, ganharam a prata nos Jogos Olímpicos de Londres. As canadenses campeãs no Pan foram bronze na Olimpíada de três anos atras. “Nos saltos, América e Ásia são mais fortes porque a Europa está abaixo. E ficamos em segundo na América”, disse Ingrid.

Rotulada de “musa do Pan” na delegação brasileira após suas fotos de maiô fazerem sucesso nas redes sociais, Ingrid, que na mesma prova no individual ficou apenas na sexta posição, revelou que a dupla precisou se superar para alcançar o resultado desta segunda-feira. E admitiu que o último salto, que teve problemas, era justamente o que mais assustava a parceria.

“Superamos o salto trauma”, afirmou Ingrid. “Minha passada é sempre mais rápida que a dela, mas olhei bastante para não errar. Estávamos muito tensas nos treinos, errávamos muito. Nem parecia que era a gente. Mas sabíamos da chance de terceiro lugar. Aí, as mexicanas erraram e sabíamos que podíamos ser as segundas”.

O bom resultado em Toronto aumentou as expectativas das brasileiras para a Olimpíada do ano que vem. “Sim, acredito que tenhamos chances de medalha na Rio-2016, porque não fizemos 100% ainda, podemos melhorar a passada e a entrada”, avaliou Ingrid.

A prova desta segunda ainda teve a participação das americanas Samantha Bromberg e Delaney Schnell, e das cubanas Yaima Mena e Anna Rivera, quarta e quinta colocadas.

Jornal Midiamax