Esportes

Cavani é expulso, e Chile despacha Uruguai em jogo tenso

 Chile e Uruguai fizeram uma decisão tensa

Diego Alves Publicado em 25/06/2015, às 01h07

None
chilefestahenryromerort.jpg

 Chile e Uruguai fizeram uma decisão tensa

Como já era de se esperar, Chile e Uruguai fizeram uma decisão tensa na noite desta quarta-feira, pelas quartas de final da Copa América . Apesar de dominar praticamente toda a partida, os donos da casa sofreram para infiltrar na forte defesa celeste e conseguiram marcar o gol da vitória, por 1 a 0, apenas na parte final do confronto, quando Cavani já havia sido expulso por confusões com o bandeirinha e a zaga chilena. No final, o brasileiro Sandro Meira Ricci ainda teve dificuldades para controlar o jogo e acabou expulsando Fucile, causando uma revolta nos uruguaios.

Com a classificação, o Chile agora aguarda o vencedor entre Bolívia e Peru para saber contra quem fará a semifinal da competição continental. Apesar do adversário estar indefinido, a decisão será no mesmo palco que os donos da casa estão atuando durante todo torneio, no Estádio Nacional, na próxima segunda-feira, às 20h30 (de Brasília).

Assim como tem feito nas últimas partidas, o Chile mostrou um volume de jogo muito maior que os rivais no primeiro tempo, mas sentiu dificuldade para superar a forte marcação uruguaia e quase não teve chances claras de gol. Já o Uruguai veio com a mesma proposta que adotou contra a Argentina, na segunda rodada da competição, quando ficou recuado esperando uma bola para definir a partida. Arriscava na bola parada, mas nada além disso.

O Chile pareceu ter deixado todo o gás no vestiário. Após um primeiro tempo com muita intensidade, os donos da casa esboçaram um certo cansaço e começaram a dar espaço para o Uruguai, que teve uma ótima oportunidade com Rolán, mas o atacante, na pequena área, chutou nas mãos do goleiro Bravo. Mesmo sem muita velocidade, os chilenos continuaram dominando a partida, e a situação melhorou quando Cavani, em um lance polêmico com o zagueiro Jara, foi expulso.

Com um a mais, o técnico Jorge Sampaoli fez duas alterações e colocou o Chile no ataque: abriu mão do volante Marcelo Díaz e do atacante Vargas para as entradas do meia Matías Fernandéz e do homem de área Pinilla, respectivamente. Mesmo assim os donos da casa sofriam para penetrar na forte defesa uruguaia e precisaram de paciência para rodar a bola e achar o lance ideial. Mena tentou cruzamento da esquerda, Muslera cortou, mas a bola caiu nos pés de Valdivia, que teve calma para dominar e deixar com Isla. O lateral da Juventus bateu firme, estufou as redes e garantiu a alegria dos torcedores chilenos.

Já no final, perto dos 45min do segundo tempo, Fucile deu uma entrada dura em Sánchez, recebeu o segundo cartão amarelo de Sandro Meira Ricci e acabou expulso. Uruguaios cercaram o trio de arbitragem e uma confusão generalizada tomou conta da partida. Depois de quase cinco minutos de paralisação, os ânimos se acalmaram (um pouco) e o árbitro brasileiro conseguiu encerrar o duelo sem graves problemas.

Jornal Midiamax