Cotidiano / Emprego & Concurso

Brasil tem 600 vagas previstas em concursos na Saúde, nenhuma em MS

O Brasil tem previsão de abrir 619 vagas em concursos na Saúde pública nos próximos meses, mas nenhuma delas vai abranger Mato Grosso do Sul. As vagas serão distribuídas em diversas instituições, com prazos de inscrição que variam entre março e junho de 2021. Em MS, saúde pública enfrenta política de contrações temporárias e está […]

Mariane Chianezi Publicado em 15/03/2021, às 13h44

Foto ilustrativa: Rovena Rosa | Agência Brasil
Foto ilustrativa: Rovena Rosa | Agência Brasil - Foto ilustrativa: Rovena Rosa | Agência Brasil

O Brasil tem previsão de abrir 619 vagas em concursos na Saúde pública nos próximos meses, mas nenhuma delas vai abranger Mato Grosso do Sul. As vagas serão distribuídas em diversas instituições, com prazos de inscrição que variam entre março e junho de 2021. Em MS, saúde pública enfrenta política de contrações temporárias e está sem concurso desde 2014.

Segundo recente levantamento realizado pelo portal Gran Cursos Online, empresa especializada em educação e capacitação para concursos públicos, as oportunidades estão espalhadas em diversos estados.

Por exemplo, em São Paulo, há 35 vagas para a Prefeitura de Guarulhos. Santa Catarina possui 61 vagas, divididas em sete prefeituras. Minas Gerais totaliza 461, distribuídas em cinco municípios. Mato Grosso oferece 4 cargos para a Prefeitura de Santa Rita do Trivelato.

A Paraíba soma 50 vagas para a Prefeitura de Coremas e Rio Grande do Norte possui 8 vagas para Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Confira abaixo a lista completa dos concursos previstos para a área da saúde até junho:

Ranking dos concursos abertos na saúde até junho

Instituição

Total de Vagas

Salário

Inscrições até:

Prefeitura de Belo Horizonte – MG

436

R$ 4.289,11

03/04/21

Prefeitura de Coremas – PB

50

R$ 1.800,00

19/03/21

Prefeitura de Garopaba – SC

40

R$ 2.494,72

18/03/21

Prefeitura de Guarulhos – SP

35

R$ 15.654,69

30/03/21

Prefeitura de Itabirinha – MG

9

R$ 6.177,40

15/04/21

Prefeitura de Celso Ramos – SC

8

R$ 5.290,21

17/03/21

Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

8

R$ 4.638,66

07/06/21

Prefeitura de Indaial – SC

7

R$ 4.084,25

30/03/21

Prefeitura de Senhora do Porto – MG

7

R$ 3.865,76

30/03/21

Prefeitura de Carmo do Cajuru – MG

5

R$ 1.911,52

22/04/21

Prefeitura de Santa Rita do Trivelato – MT

4

R$ 4.247,52

31/03/21

Prefeitura de São Pedro da União – MG

4

R$ 2.729,18

15/04/21

Prefeitura de Tunápolis – SC

2

R$ 5.805,96

25/03/21

Prefeitura de Bombinhas – SC

2

R$ 3.506,76

08/04/21

Prefeitura de Princesa – SC

1

R$ 2.305,70

18/03/21

Prefeitura de Chapadão do Lageado – SC

1

R$ 4.114,00

28/03/21

Fonte: Gran Cursos Online

De acordo com o Gran Cursos, que analisou as buscas pelo Google Trends nos meses de dezembro de 2020 a fevereiro de 2021, o termo ‘’concursos saúde’’ teve um significativo crescimento, principalmente nos últimos dois meses, entre o período de 21 de janeiro e 24 de fevereiro.

Zero concursos e contrações temporárias

Sem concursos públicos estaduais desde 2014, profissionais da Saúde de Mato Grosso do Sul enfrentam a política de contratações temporárias implantada nos últimos anos pelo governador Reinaldo Azambuja que fere o funcionamento das unidades de saúde, desmantelando equipes com rodízios de profissionais e afetando diretamente o atendimento a população, segundo acusam os principais sindicatos da área.

Em reportagem do Jornal Midiamax veiculada no dia 5, mostrou que após a pandemia causada pela Covid-19, houve um aumento na contratação temporária de profissionais da saúde, revelando a falta de efetivo permanente atuando nos hospitais do Estado. O presidente do Sintss-MS (Sindicato dos Trabalhadores em Seguridade Social de Mato Grosso do Sul), Ricardo Bueno, pontua as dificuldades de se prestar um bom atendimento com a falta de concurso e constantes contratações deste tipo.

“O último concurso realizado foi em 2014, depois tivemos apenas contratações temporárias e é nítida a intenção do governador Reinaldo em implementar essa política de contratações que prejudica a equipe de saúde e o próprio paciente”, disse Bueno ao comparar as contratações com um rodízio de profissionais.

Jornal Midiamax