Cotidiano / Emprego & Concurso

Em meio a greve, Prefeitura abre cadastro para médicos temporários

Médicos podem atuar até seis meses na rede pública

Joaquim Padilha Publicado em 28/06/2017, às 13h11

None

Médicos podem atuar até seis meses na rede pública

Em meio a greve dos médicos, iniciada na segunda-feira (26), a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) divulgou nesta quarta-feira (28) um edital para cadastramento de médicos temporários, que podem ser convocados a qualquer momento para atuarem na rede municipal de saúde de Campo Grande.

O edital foi publicado no Diogrande desta quarta-feira. Os médicos temporários podem ser convocados atendendo “necessidade temporária de excepcional interesse público”, como na carência de pessoal ou inexistência de aprovados em concurso público.

Os médicos temporários terão direito ao salário de acordo com a tabela de vencimento dos servidores da Prefeitura, a vantagens pecuniárias da profissão, ao valor das férias proporcionais, gratificação natalina, vale-transporte e licença para tratamento de saúde.

Para se inscrever para o cadastro da Prefeitura, o médico deve preencher um formulário, disponível clicando aqui. As convocações terão validade de seis meses, podendo ser prorrogadas por igual período. A Sesau não informou até quando serão aceitas as inscrições.Em meio a greve, Prefeitura abre cadastro para médicos temporários

Greve

A greve dos médicos da rede pública na Capital teve início na segunda-feira. A categoria pede reajuste salarial de 27% sobre os salários, valor referente a reposição salarial de três anos e meio, enquanto a proposta da Prefeitura é de 6%.

Segundo o prefeito Marquinhos Trad (PSD), caso o reajuste pedido pela categoria fosse concedido, haveria uma despesa de mais R$ 60 milhões ao ano na receita da Prefeitura, prejudicando os reajustes de outras 23 categorias.

A Justiça determinou na última sexta-feira (23) que o Sinmed (Sindicato dos Médicos de MS) não realizasse a greve, porém a categoria não atendeu o pedido, e afirmou que irá recorrer da decisão da 1ª Vara de Fazenda Pública e Registros Públicos. 

Jornal Midiamax