Cotidiano / Emprego & Concurso

Desemprego: em um ano, número aumentou em 30 mil em MS

Desocupação fechou 2015 com taxa de 5,9%

Midiamax Publicado em 15/03/2016, às 17h35

None
carteiradetrabalho.jpg

Desocupação fechou 2015 com taxa de 5,9%

O desemprego subiu 2,1 pontos percentuais em Mato Grosso do Sul e fechou o último trimestre de 2015 com taxa de 5,9%. Em um ano, o número de desempregados passou de 49 para 79 mil. Os dados fazem parte da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) e foram divulgados nesta terça-feira (15) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A pesquisa indica que dos 2,597 milhões de sul-mato-grossenses, 2,035 milhões estão em idade para trabalhar. No 4º trimestre de 2015, 1,248 milhão estavam empregados, índice que, praticamente, se manteve em um ano, uma vez que em mesmo período de 2014 eram 1,249 milhão de pessoas.

Quanto a desocupação, houve queda de 6% no número de pessoas empregadas no setor privado, de 651 para 609 mil no último trimestre de 2015. Em dezembro de 2015, cerca de 300 funcionários da rede Walmart ficaram sem emprego com o fechamento de quatro lojas em Campo Grande. Naquele mês, o Estado perdeu 10.472 postos de trabalho, 2,03% no nível de empregos, segundo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

A taxa de empregados no setor público aumentou apenas 1,2%, de 168 para 170 mil. O número de trabalhadores domésticos foi de 102 mil trabalhadores no 4º semestre, alta de 15% em relação ao mesmo período anterior, de 89 mil.

Setores

O setor de comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas concentrava a maior proporção de trabalhadores (248 mil), seguido pelo segmento de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (216 mil) e pela agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (151 mil).

Rendimento

O rendimento médio do empregado sul-mato-grossense no setor privado com carteira de trabalho assinada foi de R$ 1.582 no 4º trimestre de 2015, leve recuo comparado a mesmo período do ano anterior, de R$ 1.589. Quanto ao empregado no setor público, o rendimento médio se manteve em R$ 2.857.

O empregador teve um rendimento médio de R$ 4.120. O trabalhador doméstico foi a única ocupação que conviveu com aumento no rendimento médio, de R$ 716 para R$ 747.

Jornal Midiamax