A balança comercial de Mato Grosso do Sul apresenta superávit de US$ 2,009 bilhões de janeiro a abril deste ano. O resultado é 20,9% superior ao apurado no mesmo período do ano passado. Os dados estão na Carta de Conjuntura do Setor Externo número 90 elaborada pela Assessoria Especial de Economia e Estatística da Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação).

O valor das exportações de Mato Grosso do Sul entre janeiro e abril deste ano foi de US$ 3,087 bilhões, enquanto as importações somaram US$ 1,077 bilhão. O superávit é a diferença para maior entre tudo o que o Estado exportou, descontando tudo o que foi importado. Mato Grosso do Sul não registra déficit desde que a Semadesc começou a divulgar a Carta de Conjuntura, em 2017.

A soja assumiu o topo da lista como principal produto exportado no período, deslocando a celulose que tem se firmado na primeira posição há meses. O secretário da Semadesc, Jaime Verruck, lembra que a safra agrícola acabou de ser colhida e negociada, portanto é natural que o volume de exportações de soja tenha um aumento. “Esse efeito da safra ainda será sentido no fechamento das contas de maio porque tem muita soja sendo transportada”, afirmou.

Foram exportadas 2,121 milhões de toneladas de soja entre janeiro e abril, apurando um valor de US$ 1,156 bilhão. É mais de 37% de todo o montante das exportações do Estado. Em seguida vem a celulose com 1,436 milhão de toneladas e US$ 493 milhões. O milho, com 366 mil toneladas e a carne bovina com 281 mil toneladas completam o ranking dos quatro principais produtos sul-mato-grossenses destinados ao comércio exterior, isso no primeiro quadrimestre de 2023.

A se consolida como principal destino das exportações sul-mato-grossenses. Entre janeiro e abril os chineses compraram 40,70% de tudo que o Estado exportou. Em seguida aparecem a Argentina (7,56%), os (5,85%) e o (5,29%). O principal município exportador no período de janeiro a abril de 2023 foi Três Lagoas, com cerca de 26,85% dos valores exportados, com composição baseada sobretudo no setor de papel e celulose.