Cotidiano / Economia

Com coronavírus em alta no MS, ministros paraguaios rejeitam pressão para reabrir fronteira

Se depender da ministra Industria e Comercio,  Liz Querem, do ministro do Interior, Euclides Acevedo e do ministro de Defesa, Bernardino Estigarribia o comércio deve permanecer fechado na fronteira. Eles estiveram  em Pedro Juan Caballero e acabaram frustrando a expectativa de comerciantes locais. A principal proposta feita pelos empresários para as autoridades paraguaias era a […]

Marcos Morandi Publicado em 10/06/2020, às 08h13 - Atualizado às 14h32

Comércio continua fechado na fronteira. Foto: Marciano Cândia).
Comércio continua fechado na fronteira. Foto: Marciano Cândia). - Comércio continua fechado na fronteira. Foto: Marciano Cândia).

Se depender da ministra Industria e Comercio,  Liz Querem, do ministro do Interior, Euclides Acevedo e do ministro de Defesa, Bernardino Estigarribia o comércio deve permanecer fechado na fronteira. Eles estiveram  em Pedro Juan Caballero e acabaram frustrando a expectativa de comerciantes locais.

A principal proposta feita pelos empresários para as autoridades paraguaias era a abertura gradual da fronteira com a possibilidade de comercialização em uma espécie de delivery onde os brasileiros poderiam pegar os produtos comprados nas lojas de Pedro Juan na Linha Internacional, como vinha sendo feito até a semana passada.

Durante o encontro os ministros solicitaram uma semana de prazo para analisar o pedido dos comerciantes, mas não existe muita esperança de vai haver uma flexibilização por parte do governo paraguaio.

“Na verdade as autoridades foram neutras. Não disseram nem que sim e nem que não para a reabertura da fronteira”, disse o empresário Thomaz Medina, um dos mais antigos e tradicionais em Pedro Juan Caballero.

Jornal Midiamax