Cotidiano / Economia

Pesquisa aponta redução de 20% nas vendas para o Dia dos Pais em MS

Data deve movimentar até R$ 130 milhões na economia do Estado; em cenário pós-pandemia, valor superaria os R$ 140 milhões.

Humberto Marques Publicado em 15/07/2020, às 17h50

 (Foto: Dayene Paz/Arquivo)
(Foto: Dayene Paz/Arquivo) - (Foto: Dayene Paz/Arquivo)

Levantamento realizado pelo IPF-MS (Instituto de Pesquisas e Desenvolvimento da Federação do Comércio de Mato Grosso do Sul) e o Sebrae-MS (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso do Sul) aponta que a movimentação financeira no Dia dos Pais no comércio do Estado deve ser 20% menor que a registrada no ano passado.

Conforme o levantamento, a data celebrada no segundo domingo de agosto deve resultar em negócios na ordem de R$ 130,9 milhões no Estado, frente aos R$ 163,7 milhões movimentados no mesmo período do ano passado. Entre os fatores que influenciam as vendas está a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

“Percebemos que a intenção de consumo está muito aquém do esperado, mas que já está menos pior na comparação aos meses anteriores. Esse resultado um pouco mais otimista também pode estar associado à redução da velocidade com que as demissões estão ocorrendo, principalmente no terceiro bimestre do ano”, explica a economista Daniela Dias, do IPF.

No total a ser movimentado, R$ 79,02 milhões, ou 60% do total, referem-se à venda de presentes, ou 12% a menos que no ano passado. A média de gasto é de R$ 124,59, queda de 9%. Entre os entrevistados, 49% relataram que farão compras, quatro pontos percentuais a menos.

Artigos de vestuário lideram a preferência na hora de presentear, com 27% das indicações. Por outro lado, houve crescimento de intenções na linha de cosméticos (perfumes, loções pós-barba etc.), que chegou a 15%, e de relógios (12%). Outros 18% disseram não saber o que comprar.

Já as comemorações devem movimentar R$ 51,94 milhões (40%). Neste caso, a queda é ainda maior: o valor está 30% abaixo do movimentado no mesmo período do ano passado. Os gastos com os festejos são orçados em média em R$ 102,60. As comemorações serão feitas por 38% dos entrevistados.

Cenário pós-pandemia registraria vendas para o Dia dos Pais superiores a R$ 140 milhões

Em uma projeção mais otimista no cenário pós-pandemia, as entidades projetam vendas de até R$ 140,63 milhões. Aqui, os gastos com presentes chegariam a R$ 77 milhões, com 44% dos entrevistados dispostos a comprar e o valor médio dos presentes chegaria a R$ 127,56.

“O que percebemos é a vontade de comemorar: seriam injetados R$ 62,87 milhões no setor, porque 40% pretenderiam festejar a data, com um consumo médio de R$ 124,21. Esses números revelam a vontade do sul-mato-grossense se reunir junto aos seus, e celebrar as datas comemorativas. Observa-se com isso, que o apelo emocional advindo, principalmente, do isolamento e distanciamento sociais tem interferido nas tendências de consumo e de comemorações”, destacou Daniela Dias.

A pesquisa foi realizada por telefone com 1.693 pessoas entre 22 de junho e 5 de julho nas cidades de Campo Grande, Dourados, Corumbá, Ladário, Bonito, Coxim, Três Lagoas e Ponta Porã.

Vendas à vista e não presenciais para o Dia dos Pais merecem atenção dos comerciantes

Conforme a economista Daniela Dias, comerciantes dispostos a aproveitar o período para vender devem estar atentos às facilidades para pagamento à vista, com benefícios, bem como priorizar o atendimento ao cliente e a adoção de medidas sanitárias contra a Covid-19. A opinião é a mesma da também economista Vanessa Schimidt, do Sebrae-MS.

“É necessário que o cliente se sinta em segurança e confortável com a biossegurança oferecida pelo lojista, para que isso o estimule a ficar mais tempo e a conhecer o mix de produtos, fazendo a melhor escolha”, afirmou ela, destacando que a pesquisa ainda apontou uma forte tendência de compra nas lojas físicas (74% dos entrevistados têm essa intenção).

Contudo, quem apostar nas vendas online, deve também reservar tempo para divulgar o mix de produtos ou serviços, mostrar os bastidores da loja para assegurar que há cuidados em relação à higiene e com a biossegurança, apontou Vanessa.

Jornal Midiamax