Cotidiano / Economia

Ministro da economia confirma mais duas parcelas do auxílio emergencial

Conforme já anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia Paulo Guedes, confirmou nesta terça-feira (9), a prorrogação do auxílio emergencial por mais duas parcelas. Ainda conforme Guedes, durante esse tempo, o setor produtivo pode se preparar para retomar as atividades, com a adoção de protocolos de segurança. “E depois [a economia] entra em […]

Cleber Rabelo Publicado em 09/06/2020, às 14h47

Reprodução, Agência Brasil
Reprodução, Agência Brasil - Reprodução, Agência Brasil

Conforme já anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Economia Paulo Guedes, confirmou nesta terça-feira (9), a prorrogação do auxílio emergencial por mais duas parcelas.

Ainda conforme Guedes, durante esse tempo, o setor produtivo pode se preparar para retomar as atividades, com a adoção de protocolos de segurança. “E depois [a economia] entra em fase de decolar novamente, atravessando as duas ondas [da pandemia e do desemprego], afirmou o Ministro, durante a 34ª Reunião do Conselho de Governo.

O auxílio é um benefício financeiro concedido pelo governo federal a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados, e visa fornecer proteção no período de enfrentamento à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, causador da covid-19. Inicialmente, a previsão era o pagamento de três parcelas de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras).

Na semana passada, o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, informou que a eventual prorrogação do auxílio emergencial por mais dois meses deve elevar o custo do programa para um valor entre R$ 202 bilhões e R$ 203 bilhões.

Durante entrevista online na tarde desta terça-feira (9), a CEF (Caixa Econômica Federal) deu detalhes sobre o pagamento do auxílio emergencial que será liberado para o saque aos nascidos em outubro, na quarta-feira (10). No feriado de quinta-feira (11), não haverá liberação.

Ainda conforme a Caixa, na sexta-feira (12), 2,5 milhões de nascidos em novembro poderão sacar o benefício e, no sábado (13), será a vez de quem nasceu em dezembro. A CEF informou que quem não sacar o auxílio continuará com o crédito disponível nas contas indicadas e poderá sacar independentemente do dia do nascimento, a partir de segunda-feira (15).

Jornal Midiamax