Cotidiano / Economia

Temer aprova reoneração da folha para compensar redução de R$ 0,46 do diesel

Reoneração deve aumentar carga tributária

Joaquim Padilha Publicado em 31/05/2018, às 10h51 - Atualizado às 15h03

O presidente Michel Temer discursa durante cerimônia de posse do novo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Ronaldo Fonseca de Souza, no Palácio do Planalto.
O presidente Michel Temer discursa durante cerimônia de posse do novo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Ronaldo Fonseca de Souza, no Palácio do Planalto. - O presidente Michel Temer discursa durante cerimônia de posse do novo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Ronaldo Fonseca de Souza, no Palácio do Planalto.

O presidente Michel Temer (MDB) sancionou na quarta-feira (30) proposta de reoneração da folha de pagamento, que aumenta a carga tributária para setores da economia.

A nova renda sobre os impostos deve ser usada para compensar parte do impacto da redução de R$ 0,46 no valor do litro do óleo diesel nas refinarias. A redução deve ficar congelada por 60 dias.

A queda do preço do diesel era um dos itens da proposta de acordo entre governo Federal e lideranças do movimento dos caminhoneiros, como forma de encerrar a greve, que chega a seu décimo primeiro dia nesta quinta-feira (31).

Temer deixou de fora das publicações extras desta quarta a eliminação da cobrança PIS-Cofins sobre o óleo diesel, aprovada pelo Congresso. A matéria foi substituída pela redução dos R$ 0,46.

Os textos editados pelo presidente também preveem crédito extraordinário de R$ 9,5 bilhões para compensar a Petrobras pela redução do litro do diesel. A reoneração sancionada pelo presidente atinge 28 dos 56 setores hoje beneficiados.

Jornal Midiamax