Cotidiano / Economia

Na volta às aulas, material escolar pode variar mais de 700% na Capital

Pesquisa do Procon registrou valores 8x superior de uma loja para outra

Wendy Tonhati Publicado em 15/01/2018, às 14h34

None

Pesquisa do Procon registrou valores 8x superior de uma loja para outra

O Procon MS (Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor) divulgou, nesta segunda-feira (15), pesquisa com 126 itens que compõe a maior parte das listas de materiais escolares. O resultado indica que o consumidor interessado em economizar terá que fazer uma boa pesquisa de preço antes de comprar. 

A variação de preços entre uma loja e outro foi grande e passou de 755%, em um dos itens pesquisados: a cola em bastão de 10 gramas. O valor mais barato encontrado foi de R$ 0,76 em um dos estabelecimentos. O mesmo item chegou a ser encontrado por R$ 6,50 valor 8,5 vezes maior.

Entre os produtos com maior variação estão, além da cola em bastão: papel almaço (690,91%) – preços entre R$ 0,11 e R$ 0,87; apontador plástico com depósito personagens (521,21%) – preços entre R$ 0,99 e R$ 6,15; caderno brochura pequeno 48/50 personagens (360,53%) – preços entre R$ 0,76 e R$ 3,50).

Confira a lista completa 

Conforme o Procon, os preços foram pesquisados em oito diferentes estabelecimentos comerciais da Capital, de 2 a 12 de janeiro: Livromat, Shoptudo, Moderna, Zornimat, Livraria Lê, Suprimaq, Cometa e São Paulo. Embora nem todos os itens estivessem disponíveis em todas as empresas, o Procon montou uma tabela em que é possível verificar que as mais baratas foram: Zornimat, Shoptudo e Moderna.

Segundo o Procon, as listas disponibilizadas pelas escolas foram analisadas por técnicos do órgão, em parceria com o Sinepe/MS (Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino de Mato Grosso do Sul), sendo que a legislação proíbe a solicitação de material de escritório, marca específica, e de limpeza nas listas de materiais destinados aos alunos.

O Procon Estadual disponibiliza o número 151 e o Fale Conosco do site www.procon.ms.gov.br aos consumidores para informações e denúncias.

Jornal Midiamax