Cotidiano / Economia

Délia anuncia que grupo empresarial quer encampar São Fernando e faz reunião na segunda

Reunião no gabinete da Prefeita vai reunir trabalhadores e outros segmentos para discutir a crise.

Midiamax Publicado em 10/06/2017, às 13h42

None

Reunião no gabinete da Prefeita vai reunir trabalhadores e outros segmentos para discutir a crise.

A prefeita Délia Razuk (PR) disse em primeira mão ao Midiamax que um grande grupo empresarial demonstrou interesse em encampar a Usina São Fernando que teve sua falência decretada pela Justiça na última quinta-feira.

Délia demonstrou preocupação com o destino dos cinco mil trabalhadores e suas famílias que dependem da continuidade operacional da Usina.

“A São Fernando é um patrimônio do município de Dourados e vamos lutar para salvá-la”, disse a prefeita que está esperando que este grupo empresarial consiga fazer a negociação.

Nesta segunda-feira às 09h da manhã a prefeita realiza em seu gabinete uma reunião com uma comissão de funcionário da Usina São Fernando, representantes do sindicato da categoria e do Ministério Público do Trabalho e da Federação das Indústrias (FIEMS).

Esta é a primeira concreta da Prefeitura de Dourados para mediar a crise que a Usina enfrenta com a decretação da falência. A prefeita disse que o poder público não poder ficar omisso com o caso.

“O Brasil passa uma de suas maiores crises financeiras de sua história e que também afeta a economia de Dourados”, disse Délia Razuk ressaltando que casa um deve fazer a sua parte para encontrar soluções para a empresa considerada uma das maiores empregadoras e geração de renda no município.

Já no início da noite de ontem o juiz da 5ª Vara Cível de Dourados, Jonas Hass Silva Júnior, tranquilizou a prefeita de Dourados, Délia Razuk, ao garantir que os empregos estão garantidos apesar da decretação da falência da Usina São Fernando.

De acordo com o juiz, o administrador Vinicius Coutinho ficará à frente do empreendimento em Dourados, que continuará a operar em caráter provisório, já que existe cana-de-açúcar para ser colhida, e que se isso não ocorrer causará prejuízo a massa falida e aos credores, e ainda porque alguns equipamentos e setores não podem suspender de imediato suas atividades.

Assista ao vídeo.

Jornal Midiamax