Cotidiano / Economia

Autoridades atacam divulgação da Carne Fraca na abertura da Expogrande

'Temos de explicar o que não fazemos', disse o ministro

Diego Alves Publicado em 31/03/2017, às 00h30

None
73fc47f3-657c-428e-892d-40a0149d0480_1.jpg

'Temos de explicar o que não fazemos', disse o ministro

Todos os discursos de autoridades durante a abertura da 79º Expogrande atacaram a forma que foi divulgada a Operação Carne Fraca pela Polícia Federal. O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, participou da solenidade de abertura.

"A agricultura brasileira é a mais sustentável do mundo e, agora, temos de explicar uma coisa que não fazemos, eu vou ter de cumprir uma intensa maratona para explicar que não fizemos nada de errado", disse o ministro que fará viagens aos países que suspenderam a compra da carne brasileira.

Maggi foi muito elogiado pela bancada de Mato Grosso do Sul e pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD), pelo fato do ministro, segundo eles, ter agido rápido em relação a repercussão da operação da PF. 

O prefeito Marquinhos Trad também criticou a forma que a operação foi anunciada. "A operação da PF foi divulgada de maneira midiática, irresponsável e rasteira".

"Tudo isso não passou de um jogo de armações espetaculosas e dramáticas", disse o presidente da  Acrissul (Associação dos Criadores de MS), Jonatan Barbosa. 

Durante a tarde desta quinta, durante evento na Embrapa Gado de Corte, Maggi afirmou que o Governo Federal dará um veredito sobre os frigoríficos interditados em três semanas. "Os frigoríficos interditados estão passando por uma nova análise dos nossos técnicos, temos uma força tarefa trabalhando e a medida em que formos recebendo as informações e sabermos exatamente qual foi o problema, em três semanas pretedemos dar um veredito sobre esse assunto. Ou eles voltarão a trabalhar ou ficarão mais tempo fechado".

Além de vereadores e deputados estaduais, também estiveram presentes durante a abertura da Expogrande o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), os deputados federais Luiz Henrique Mandetta (DEM), Tereza Cristina (PSB),  Dagoberto Nogueira (PDT) e os senadores Pedro Chaves (PSC), Waldemir Moka (PMDB) e Simone Tebet (PMDB).

Jornal Midiamax