Cotidiano / Economia

Frutas puxam a alta e Campo Grande tem a 8ª cesta básica mais cara em agosto

Cesta ficou R$ 10,49 mais cara em relação a julho

Wendy Tonhati Publicado em 09/09/2016, às 14h13

None
_mg_4391_interna.jpg

Cesta ficou R$ 10,49 mais cara em relação a julho

Campo Grande teve a oitava cesta básica mais cara do Brasil no mês de agosto, segundo dados divulgados pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) nesta sexta-feira (8). O valor da cesta de alimentos foi de R$ 440,86, aumento de 2,44% em relação ao mês anterior. 

A Capital teve a cesta básica mais cara em R$ 10,49 em relação a julho e o valor superou São Paulo (R$ 475,11), Porto Alegre (R$ 474,34), Florianópolis (R$ 457,11), Rio de Janeiro (R$ 455,45), Cuiabá (R$ 453,10), Brasília (R$ 451,29) e Boa Vista (R$ 441,60).

Um dos vilões de mês foi o arroz que teve o valor médio do quilo do arroz mais caro em 24 cidades,  manteve-se estável em Goiânia e diminuiu em Macapá (-0,63%) e São Paulo (-0,31%). As maiores altas foram verificadas em Campo Grande (9,79%) e Cuiabá (7,01%). O período é de entressafra de arroz, o que explica a alta nos preços.

As outras variações registradas em Campo Grande foram leite (3,84%), tomate (25%), banana (17,34%) e manteiga (6,91%). Houve queda nos preços do feijão (-4,37%), batata (-18,82%) e óleo (-5,45%).Frutas puxam a alta e Campo Grande tem a 8ª cesta básica mais cara em agosto

Conforme o Dieese, a trajetória de alta observada nos dois meses anteriores persistiu no mês de Agosto, embora tenha invertido o comportamento observado no mesmo período dos anos anteriores.

A variação percentual da cesta local foi a maior entre as capitais da região, sendo que em Goiânia houve retração (-3,15%). Brasília/DF foi a cidade que apresentou menor variação positiva (0,88%). Em valores monetários, a capital de Goiás manteve o menor custo (R$ 411,12), e a Capital mato-grossense a maior (R$ 453,10).

Entre os produtos do café da manhã, os preços médios de manteiga e leite são os que registram variações mais bruscas. 

Frutas puxam a alta e Campo Grande tem a 8ª cesta básica mais cara em agosto

Jornal Midiamax