Cotidiano / Economia

Com problemas climáticos, IBGE prevê produção de safra de grãos 17% menor em MS

Milho foi grão que mais sofreu na lavoura

Midiamax Publicado em 09/08/2016, às 16h57

None
colheita-graos-sojaab.jpg

Milho foi grão que mais sofreu na lavoura

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou nesta terça-feira (09) a sétima estimativa de 2016 para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas e os números não são tão animadores. É que a produção de Mato Grosso do Sul totaliza 14,76 milhões de toneladas, o que representa um recuo de 17% em relação a previsão do ano passado.

A área a ser colhida é a mesma do mês anterior, 4,17 milhões de hectares, mas ?% maior que a verificada no ano anterior, de 4,12 milhões de hectares. Mato Grosso do Sul fica na 5ª posição no ranking de produção nacional, atrás de Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul e Goiás.

Somados, os dois principais produtos, milho e soja, representaram 98% da estimativa da produção e 99% da área a ser colhida.

A soja teve aumento na produção, de 7,30 para 7,41 milhões de toneladas. Já o rendimento médio do grão caiu de 3.108 para 3.067 kg/hectare.

Com problemas climáticos, IBGE prevê produção de safra de grãos 17% menor em MSNa contramão, o milho está com perdas na safra 2015/2016. O grão sofreu e muito com os problemas climáticos. Plantado com atraso devido problemas na safra de soja, o milho sofreu com a chuvarada, calor e falta de chuvas. A produção da commoditie recua 27% nesta 7ª previsão do IBGE. Em mesmo período de 2015 foram produzidas 9,73 milhões de toneladas. O rendimento médio do grão passou de 5.785 para 4.240 kg por hectare.

Conab

A previsão da safra de grãos é que sejam produzidas 16,78 milhões de toneladas nesta safra, aumento de 14,6% em relação ao ano passado, de 14,3 milhões/t.

A área a ser colhida sofreu queda de 4,1%, de 4,2 para 4,0 milhões de hectares. A explicação? Em julho houve redução nos volumes de chuvas em todo o Estado, que refletiu num menor potencial produtivo das lavouras de milho cultivadas mais tardiamente, principalmente as plantadas após o prazo limite do zoneamento agrícola.

De modo geral, segundo a Conab são observadas lavouras com plantas mal desenvolvidas e de menor porte, com espigas menores e mal granadas, indicativos reais das quebras de produtividades relatadas em praticamente todos os municípios levantados.

Ainda quanto a lavoura de milho, até o momento estima-se que 45% da produção tenha sido negociada de forma antecipada, nesta safra 2015/16. 

Jornal Midiamax