Cotidiano / Economia

Bovespa fecha em queda pressionada por Petrobras

Ibovespa caiu 0,96%

Ana Paula Chuva Publicado em 01/08/2016, às 20h37

None
dolares.jpg

Ibovespa caiu 0,96%

A Bovespa fechou em queda nesta segunda-feira (1º), com o recuo das ações da Petrobras entre as principais pressões negativas. O Ibovespa, principal indicador da bolsa, caiu 0,96% no 1º pregão do mês, aos 56.755 pontos, após ter acumulado alta de 11,02% em julho. 

No acumulado do ano, o índice de ações ainda acumula valorização de 30,93%.

Destaques do dia

Petrobras fechou com as preferenciais em baixa de 5,22% e as ordinárias em queda de 5,85%, na esteira da queda dos preços do petróleo, que caíram abaixo de US$ 40 o barril nos EUA, em mínima desde 20 de abril.

O papel Petrobras PN ainda acumula valorização de quase 70% em 2016.

Vale encerrou com preferenciais em queda de 3,06% e as ordinárias com recuo de 3,24%,  revertendo os ganhos vistos mais cedo, quando os papéis acompanharam a alta dos preços do minério de ferro na China.

Bradesco avançou 0,99%, apesar na fraqueza do setor, com Itaú Unibanco encerrando em queda de 1,01% antes do resultado do segundo trimestre, previsto para antes da abertura do pregão na terça-feira.

Natura perdeu 5,11%, após fortes ganhos recentes na esteira da divulgação do resultado trimestral, que levaram a ação para a maior cotação de fechamento desde novembro de 2014 na última sexta-feira.

Embraer caiu 3,91%, ainda sofrendo com o resultado trimestral e corte de previsões, mas também tendo no radar novas reduções nos preços-alvos de suas ações e ADRs por corretoras, segundo a Reuters. Reportagem do jornal "Folha de S.Paulo" informou que um funcionário da Embraer com mais de 30 anos de casa disse, em depoimento ao Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, que a cúpula da empresa autorizou o pagamento de suborno a uma autoridade da República Dominicana durante negociações para venda de oito aviões Super Tucanos, entre 2008 e 2009.

Apesar da queda da bolsa nesta segunda-feira, carteiras de ações recomendadas para agosto mostraram estrategistas ainda otimistas sobe as ações brasileiras, segundo a agência Reuters, em meio a dados melhores de confiança e expectativas positivas sobre definições no campo político no Brasil, além da perspectiva de manutenção da liquidez global.

Jornal Midiamax