Cotidiano / Economia

A um mês do Dia das Crianças, clientes planejam com cautela compra de presentes

Lojistas esperam sinais para investir

Tatiana Marin Publicado em 13/09/2016, às 16h55

None
brinquedos.jpg

Lojistas esperam sinais para investir

Atividade morna marca o comércio de Campo Grande na proximidade de uma das datas que mais aquece o comércio, o Dia das Crianças. Lojistas estão aguardando mais proximidade da data para lançar promoções e decorar vitrines. Consumidores ainda estão em dúvida sobre o quanto irão gastar, ou mesmo se irão comprar presentes este ano.

Dono de uma banca de brinquedos no Camelódromo há 18 anos, Isaías Pereira Oliveira, de 47 anos diz que a procura por presentes começa nos 15 dias que antecedem o dia das crianças e que ainda não pretende fazer investimento de estoque. “Ano passado o faturamento foi 30% menor que o anterior. A situação está difícil desde fevereiro e acredito que este ano o faturamento será 10% menor que ano passado”, pontua ele.

Os valores mencionados por consumidores para comprar presentes para as crianças vão de R$ 30,00 até R$ 100,00. Mas há quem diga que não comprará presentes. A técnica de radiologia Giovana Nalon de Oliveira, de 34 anos disse que está sem dinheiro. “Tenho gêmeos de 2 anos e como eles não entendem ainda, este ano não vou comprar brinquedo para eles”, lamenta ela. Já a vendedora Gisele Carvalho, de 31 anos conta que terá de reservar cerca de R$ 200,00 do seu orçamento. “Eu tenho 3 afilhados e a minha filha, mas vou esperar para comprar uma semana antes do dia das crianças”, explica ela.

Beatriz de Oliveira Amorin, de 11 anos, filha da cabeleireira Stefany de Oliveira Amorin, de 27 anos, vai receber um presente de cerca de R$ 100,00 em roupas, segundo escolha própria da menina. “Vou comprar presente só pra ela. Está difícil, não dá para comprar para todo mundo”, explica a cabeleireira.

Em outra banca do Camelódromo os investimentos também serão feitos com prudência. Cícera Jesuíno dos Santos diz que está com receio de investir. “Vou comprando na medida que vou vendendo e as vendas ainda não começaram a aumentar, as pessoas deixam para o último dia”, conta a comerciante. Ela vende brinquedos de R$ 5,00 a R$ 150,00, mas o valor médio dos brinquedos comprados pelos clientes é de R$ 30,00.

Já a loja de presentes e utilidades Giga, que fica na rua Dom Aquino, fez investimentos em junho e julho para o dia das crianças. O gerente Antônio Roberto Guizani espera que a procura por brinquedos aumente partir do dia 20 de setembro. “Vamos fazer anúncio de promoções a partir do dia 17 e a loja estará decorada a partir do dia 1º de outubro”, conta ele. Segundo o gerente da loja, o faturamento em outubro aumentou 20% devido o aquecimento gerado pela data, mas as previsões são de que este ano o aumento seja de 10 a 15%.

Jornal Midiamax