Cotidiano / Economia

Exportação de frango cai 11,2% em outubro, diz ABPA

O levantamento é da Associação Brasileira de Proteína Animal

Diego Alves Publicado em 08/11/2015, às 00h09

None
avicultura1.jpg

O levantamento é da Associação Brasileira de Proteína Animal

A exportação brasileira de carne de frango (considerando todos os produtos, como frango inteiro, cortes, processados, salgados e embutidos) apresentou queda de 11,2% em outubro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, atingindo 329,5 mil toneladas. O levantamento é da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e foi divulgado nesta quarta-feira (4).

No saldo cambial, houve retração de 31,2%, com total de US$ 521,4 milhões. Em reais, os exportadores obtiveram receita de R$ 2,022 bilhões, montante 9,1% superior ao registrado em outubro do ano passado.

O presidente da ABPA, Francisco Turra, informa em comunicado que problemas internos ocorridos ao longo do mês causaram impactos no setor. "Um exemplo foi a interdição do porto de Itajaí, principal saída das exportações brasileiras de carne de frango, em decorrência às fortes chuvas.

Outros portos também foram impactados. Ao mesmo tempo, tivemos os rescaldos da greve dos fiscais federais agropecuários, que perduraram durante a primeira quinzena do mês", diz.

Apesar disso, segundo a ABPA, os embarques de carne de frango mantiveram níveis positivos no acumulado do ano (janeiro a outubro), com alta acumulada de 3%, na comparação com o mesmo período do ano passado. Ao todo, foram embarcadas 3,515 milhões de toneladas.

Em termos de receita cambial, nos primeiros dez meses de 2015 houve retração de 11,6%, com total de US$ 5,960 bilhões. No saldo dos embarques, em reais, o setor registrou elevação de 24,4% no período, alcançando R$ 19,320 bilhões.

O vice-presidente de Aves da ABPA, Ricardo Santin, destaca que a análise do desempenho do mês de outubro não indica uma desaceleração em um mercado específico e, sim, uma queda proporcional, o que confirma os problemas internos como, de fato, as causas da retração. "Isto permite manter as previsões de crescimento traçadas para este ano", conclui.

Jornal Midiamax