Cotidiano / Economia

Desemprego sobe 6,9% em março e mantém tendência de alta

Demissões em diversos setores levou à piora nas percepções das famílias em relação ao mercado

Clayton Neves Publicado em 08/04/2015, às 17h59

None
negocios-macro-desemprego.jpg

Demissões em diversos setores levou à piora nas percepções das famílias em relação ao mercado

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) avançou 6,9% em março, mantendo a tendência de alta de 2014, segundo informações divulgadas nesta quarta-feira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado sinaliza uma nova piora do mercado de trabalho no mês.

De acordo com Rodrigo Leandro de Mora, pesquisador da FGV, o ICD mostra um aumento do desemprego, motivado por demissões, piorando a percepção das famílias em relação ao mercado de trabalho. ”Como as demissões estão se alastrando para o setor de serviços, que é intensivo em mão de obra, parece que as famílias passam a perceber mais facilmente essa piora”, afirmou, em nota.

De acordo com a pesquisa, famílias de todos os extratos de renda apresentaram uma piora acentuada em sua percepção do mercado de trabalho, com destaque para aquelas pertencentes à classe média (cuja renda familiar está entre R$ 2.100 e R$4.800).

O índice é construído a partir de dados desagregados, em quatro classes de renda familiar, que capta a percepção do entrevistado a respeito da situação do mercado de trabalho.

Jornal Midiamax