Brasileiros gastam mais com sapatos do que com arroz e feijão

A diferença entre o consumo de mulheres e homens é de apenas 20%
| 24/07/2015
- 00:06
Brasileiros gastam mais com sapatos do que com arroz e feijão

A diferença entre o consumo de mulheres e homens é de apenas 20%

Em 2014, os brasileiros gastaram mais com sapatos do que com itens julgados essenciais, como alimentação. O levantamento da FecomércioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), com base em informações da Pesquisa de Orçamento Familiares (POF), do IBGE, revela que em um ano a população gastou mais de R$ 22 bilhões com calçados, sendo as mulheres responsáveis por R$ 12 bilhões, enquanto os homens desembolsaram R$ 10 bilhões.

O consumo é tão elevado que sobrepõe os gastos com alimentos básicos, como arroz e feijão. Em média as brasileiras gastam com calçados femininos o correspondente a 157% do que gastam com feijão, 149% dos gastos com pão francês, 128% no caso de legumes e verduras, 109% do que gastam com leite de vaca, 91% do total gasto em arroz e 78% das despesas em frango.

O estudo também serve para desmistificar a crença de que as mulheres são as consumidoras universais de sapatos. No valor total, as mulheres estão apenas 20% a frente dos homens no consumismo.

As diferenças maiores aparecem quando divididas por renda. A classe A, apesar de representar apenas 4% da população, são responsáveis por 19% do  consumo de calçados femininos do país. Nesse grupo as mulheres gastam 107% a mais com calçados do que os homens.

Já no outro extremo da tabela, a classe E é a única faixa de renda cujo cenário contrapõe o senso comum. As mulheres gastam 4% a menos com calçados do que os homens, que despendem 50% de tudo o que gastam com calçados em tênis.

Com base no gasto de todas as classes, os homens compram R$ 6 bilhões em tênis e apenas R$ 4 bilhões em outros calçados. Já as mulheres despendem apenas R$ 2,5 bilhões com tênis e quase R$ 10 bilhões em outros calçados.

Veja também

Estimativa de junho refere-se a cereais, leguminosas e oleaginosas

Últimas notícias