Cotidiano / Consumidor

Policial de MS passa mal após encontrar corpo estranho em marmita e pede indenização

Servidora da Agepen-MS chegou a vomitar enquanto fazia um exame

Renan Nucci Publicado em 03/12/2021, às 09h04

Foto anexada aos autos do processo mostra corpo estranho na marmita
Foto anexada aos autos do processo mostra corpo estranho na marmita - Reprodução

Uma policial penal de Mato Grosso do Sul moveu ação contra a empresa que fornece alimento para a unidade onde ela trabalha, depois de passar mal ao comer uma marmita com corpo estranho. A servidora chegou a vomitar enquanto era submetida a um exame médico e pede R$ 20 mil em indenização por danos morais. 

O procedimento tramita na 1ª Vara do Juizado Especial Central de Campo Grande. A policial disse que, no último dia 21 de outubro, estava de serviço e precisou se alimentar no local, optando pelas refeições distribuídas pela empresa, que tem contrato com o Governo do Estado.

Ocorre que durante o consumo, ela notou um corpo estranho, motivo pelo qual acionou seus superiores da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário). Após o expediente, ela tinha agendada uma ressonância magnética e já chegou ao exame sentindo-se mal.

Durante o procedimento, acabou vomitando e atribuiu o mal-estar ao alimento consumido momentos antes. Assim, diante do constrangimento e da situação vexatória, bem como ao fato de que a empresa já tem reclamações por distribuir “comida estragada”, a servidora acionou a Justiça em busca de reparos.

Jornal Midiamax