Na terra, a casinha feita de madeira e lona às margens do Rio Paraguai. No coração, a paz por ter o Pantanal como quintal. Antonio Donizete de Matos, de 66 anos, fincou morada no Pantanal. Por isso, nem mesmo um incêndio a 300 metros de casa afugentou o Ribeirinho, que trocou a cidade pelo ar fresco da natureza. 

A maior planície alagada do mundo sofre há semanas com incêndios florestais, que transformaram a paisagem da natureza e das cidades pantaneiras. Corumbá, por exemplo, está encoberta por fumaça e fuligem, enquanto na terra encontra-se um solo pincelado de preto, animais queimados ou desesperados tentando fugir do fogo. 

O monitoramento de focos ativos do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) mostra que o número de focos no Pantanal de Mato Grosso do Sul chegou a 1.942 do início de junho até a última sexta-feira (21), o que já é muito maior na comparação com todo mês de junho do ano passado, quando o bioma registrou 77 focos de incêndio.

Antônio não troca o Pantanal pela cidade

Idoso mora “só” com a companhia da natureza. (Henrique Arakaki, Jornal Midiamax)

Aposentado e viúvo há cinco anos, Antônio não titubeou: decidiu “trocar” a casa na Cidade Branca por uma residência simples às margens do rio. Mesmo ainda tendo moradia na área urbana, prefere passar o dia rodeado pela natureza.

Contudo, esse sossego foi perturbado nos últimos dias com a chegada das chamas perto de casa. “É a primeira vez que chega bem pertin [sic]. O medo é constante porque a gente não sabe quando vai acontecer, pode chegar uma pessoa fumando, um palito de fósforo, uma bituca de cigarro e tudo começa de novo”, ele teme. 

O ribeirinho lamenta que os bichos, os maiores prejudicados com o fogo, muitas vezes não conseguem fugir das chamas. 

Bombeiros ajudaram a apagar as chamas. (Henrique Arakaki, Jornal Midiamax)

“O que passa na minha cabeça é que eu pego o meu barquinho e atravesso para o lado de lá. E as capivaras, as sucuris, esses bichos que vivem aqui, os jacarés, tem que sumir tudo aqui, porque como vão ficar? Eu penso mais nos animais porque eles são tudo para o Pantanal, se acabar os animais, nós acabamos também”, pondera o senhor.

Antônio não faz ideia sobre como o fogo começou, mas tinha certeza que a força das rajadas de vento ajudou a propagá-lo até perto de casa. O alívio veio com a chegada da brigada do CBMMS (Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul) que ajudou o idoso a apagar as chamas.

Chamas podem ser vistas a quilômetros de distância. (Henrique Arakaki, Jornal Midiamax)

“Para nós que estamos acostumados e temos vivido aqui, é a nossa vida, quem experimenta não larga mais. É difícil mosquito, tudo essas coisas que tem fogo, mau tempo, mas tudo essas coisas quem vive disso aqui ele não abandona porque é a nossa vida”, garante.

Futuro não é promissor

Profissionais envolvidos no monitoramento dos incêndios no Pantanal alegam terem sido ‘pegos de surpresa’ com o avanço das chamas nesta época do ano. Isso porque, historicamente, o fogo costuma ter o ápice em agosto e setembro.

Porém, com a situação da forma que está – com Corumbá encoberta por fumaça, centenas de animais mortos e mais de 200 mil hectares do Pantanal consumidos pelas chamas –, a descrença em um futuro próximo mais ameno é inevitável.

Segundo o chefe de Brigada Pantanal do Prevfogo, Anderson Thiago, normalmente em junho, a equipe começa a se preparar para os incêndios. “No mês de junho estávamos começando a nos preparar para definir as dinâmicas de preparação. Neste ano, em junho, já estamos atuando em incêndios de grandes proporções”, relata.

pantanal
Fumaça em Corumbá (Henrique Arakaki, Jornal Midiamax)

Tem alguma denúncia, flagrante, reclamação ou sugestão de pauta para o Jornal Midiamax? Envie direto para nossos jornalistas pelo WhatsApp (67) 99207-4330. Acima de tudo, com sigilo garantido por lei.

Acompanhe nossas atualizações no Facebook, Instagram e Tiktok.