Câmeras de monitoramento do IHP (Instituto Homem Pantaneiro) registraram avanço de enorme nuvem de fumaça sobre a Serra do Amolar, em . A situação é resultado de incêndios florestais registrados no Mato Grosso, especialmente no Parque Nacional do Matogrossense e no Parque Estadual do Encontro das Águas. 

Nas imagens é possível notar a densa cortina de fumaça instalada a quase mil metros de altitude. O registro foi feito por volta das 16h de ontem (10) e impressionou pesquisadores e moradores da região. 

Segundo informações do Instituto Homem Pantaneiro, o avanço da fumaça aconteceu após registro de no sentido Serra / Bolívia. Com a situação, a nuvem alcançou o topo da Serra do Amolar e encobriu antena instalada no local. Até por volta das 17h30 ainda havia fumaça na área.

“O IHP tem bases na região e a situação foi identificada também na Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) Acurizal. Funcionários precisaram fechar portas e cobrir qualquer vão para evitar que a fumaça entrasse nas residências da unidade de reserva”, informou.

De acordo com o coronel Ângelo Rabelo, presidente do Instituto, a situação sinaliza a gravidade dos incêndios que estão no Mato Grosso e que podem causar danos em Mato Grosso do Sul. “O fogo vem destruindo o refúgio da vida selvagem no Pantanal norte. Em MT, os incêndios já destruíram mais de 100 mil hectares e estão atravessando os limites geográficos. Não podemos mais pensar de forma compactada e assistir ao caos que se aproxima”, pontuou. 

Entre os dias 7 e 8, a Brigada Alto Pantanal, mantida pelo IHP, e o Prevfogo/Ibama atuou diretamente para combater um incêndio na região da baía do Taquaral. O fogo foi identificado pelo sistema Pantena ainda no início e a precocidade do combate garantiu que as chamas fossem apagadas, apesar de ocorrer danos ao meio ambiente.

Saiba Mais