O eclipse solar anular é o próximo grande fenômeno astronômico e a população em Mato Grosso do Sul pode fazer a observação, neste sábado dia 14 de outubro, no período da tarde.

Contudo, quem quiser acompanhar o espetáculo da formação no ‘anel de fogo’ nos céus de MS deve tomar cuidado, já que não é possível observar a olho nu.

De acordo com o membro do Clube de Astronomia Carl Sagan, da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Henrique Arcuri, olhar diretamente para o sol, mesmo durante o eclipse, pode trazer danos.

“Nunca olhar diretamente para o Sol e nem utilizar materiais caseiros para observação. Os danos causados pela observação do Sol são irreversíveis”, alerta ao Jornal Midiamax. Para aqueles que preferem não arriscar, o clube de astronomia vai realizar um evento no dia 14, a partir das 14h30, no Museu das Culturas Dom Bosco, no Parque das Nações Indígenas.

A equipe formada por integrantes de diversos cursos da UFMS vai levar óculos especiais – com filtro de solda 14 para a construção – para observação do eclipse. Conforme Henrique, a ação começa a partir das 14h30 e deve durar até o pôr do sol, por volta de 17h30, com pico local de ocultação às 15h40.

Entretanto, a ocultação do sol em Campo Grande será de 45% – a versão 100% só será visível no nordeste brasileiro.

Não pode ir?

Henrique também orienta aqueles que, por algum motivo, não possam ir até o evento no Parque das Nações. “Um material seguro e barato para a observação do eclipse é o filtro de luz para máscara de solda de tonalidade 14 ou superior. Porém, ainda com ele, deve-se ter o cuidado de para cada 20 segundos de observação, 5 minutos de descanso antes de uma nova observação”, diz à reportagem.

Para aqueles que já estavam preparando os óculos de sol, podem ir guardando. “Os óculos de Sol não conseguem filtrar o suficiente de luz para uma observação direta do Sol. Mesmo com óculos de Sol, uma observação direta do Sol pode prejudicar a vista de maneira irreversível e definitiva”, orienta.

“O filtro de solda 14 é feito para uma grande exposição luminosa, conseguindo filtrar boa parte da luz solar, tornando a observação segura, porém ainda assim existindo limites”, alerta Henrique.

Acompanhar pela internet

O YouTube do Observatório Nacional vai transmitir ao vivo o eclipse, a partir das 10h30 (horário de MS). Segundo o Observatório, o eclipse anular do sol é um fenômeno astronômico em que a lua se alinha entre a Terra e o Sol, cobrindo a maior parte do disco solar, mas deixando apenas um “anel de fogo” brilhante ao redor da borda.

Já um eclipse total do sol ocorre quando a lua cobre completamente o disco solar, deixando apenas a coroa solar visível. A principal diferença é que no eclipse anular a Lua está mais distante da Terra e seu diâmetro aparente não fica exatamente igual ao diâmetro aparente do Sol.

O vídeo já está disponível:

Ah, e não esquece de mandar seus registros do Eclipse Solar para o WhatsApp do Jornal Midiamax pelo número (67) 99207-4330. O canal de comunicação serve para leitores falarem com os jornalistas. Se preferir, você também pode falar com o Jornal direto no Messenger do Facebook.