A ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública) deve se reunir com a Prefeita Adriane Lopes, na próxima quinta-feira (4/5) para discutir o cumprimento da Lei do Piso Nacional de 20 horas do magistério. 

De acordo com o presidente do sindicato, Gilvano Bronzoni, a categoria foi recebida na prefeitura na quarta-feira (26), após os professores terem aderido à Greve Nacional da Educação e terem protestado em frente ao Paço Municipal. 

“Fomos recebidos pela prefeita. Ela tem a intenção de cumprir com a Lei do Piso Nacional de 20 horas em . Tem dificuldade em alguns detalhes e ficou de apresentar hoje uma proposta por escrito de como agir daqui pra frente”, informou o presidente do sindicato. 

Após a entrega da proposta, a ACP deve realizar uma geral para discutir o documento e na próxima quinta-feira, 4 de maio, se reunirá novamente com a Prefeitura. “A verba indenizatória veio provisoriamente referente a um compromisso do ano passado. Temos que discutir o calendário daqui pra frente e a incorporação da verba indenizatória”, explicou. 

Em entrevista durante os protestos desta semana, Gilvano Bronzoni explicou que o salário dos docentes de Campo Grande corresponde apenas a 52,74% do piso nacional.

A ACP participou da sessão na Municipal de Campo Grande, nesta quinta-feira, enquanto a Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul) esteve na de Mato Grosso do Sul. 

O ato faz parte da 24ª Semana Nacional em Defesa e Promoção da Educação, em que ficou combinado em todo o país que os representantes dos sindicatos visitem hoje as casas de leis.