A Expedição Alma Pantaneira encerra após 1,8 mil quilômetros rodados no Pantanal de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Ao todo, os voluntários prestaram mais de cinco mil atendimentos médicos, odontológicos e veterinários a áreas de difícil acesso.

Durante os 12 dias de viagem o grupo entregou cerca de três toneladas de roupas, brinquedos e material de higiene pessoal aos moradores pantaneiros. Na rota final, a equipe ainda ajudou nas instalações da das Águas, no Pantanal do Paiaguás, atingida por forte vendaval.

Roteiro

O grupo saiu de no dia 23 de outubro, seguindo pela BR-262 passando por até chegar na Estrada Parque do Pantanal, até a primeira parada, na escola municipal Sebastião Rolon onde montaram uma base de atendimento. Além das que estudam no lugar, ainda foram atendidos os moradores da região.

“É um lugar distante e é muito difícil para as pessoas buscarem tratamento. Atendemos pacientes que não iam há anos em um médico ou dentista”, comenta Elisclay, dentista de Rio Verde e que participa pela sétima vez da Expedição.

Rony Fujii, veterinário da Servisal, uma das empresas que apoiam o projeto, foi um dos que fez esse trabalho. “Sabemos que não é fácil o deslocamento pelos caminhos pantaneiros. Há pessoas que já são idosas, ou que tem crianças de colo e precisam ser alcançadas. Transportamos uma mãe com sua filha com deficiência de locomoção. Ela teria que andar mais de quatro horas carregando a criança no colo para chegar até a gente. É muito gratificante poder ajudar gente assim”, comenta o veterinário.

Foram montadas seis bases de atendimento em fazendas e escolas que tem mais estrutura para receber os consultórios portáteis e as equipes médicas e odontológicas.

Atendimento odontológico (Divulgação)

“Hoje levamos equipamentos de ponta como um raio-x odontológico, ultrassom e até um aparelho que faz exames de análises clínicas em menos de uma hora. Com isso conseguimos melhorar muito a qualidade dos atendimentos”, comenta Waldir Albaneze, um dos idealizadores da Expedição.

O grupo também fez uma campanha pelas redes sociais pedindo donativos. “Foi uma grande corrente do bem. Muitos que assistiram nossos vídeos se sensibilizaram e as doações começaram a chegar. Ao todo conseguimos perto de R$ 110 mil. Com isso, a escola vai ficar melhor do que estava”, se emociona o Paulo Cruz, que participa há três anos da expedição.

Para manter o projeto da expedição, o instituto conta com apoio de patrocinadores e apoiadores que fazem contribuições ao longo do ano. Quem quiser participar com qualquer tipo de ajuda pode entrar em contato pelo site www.institutoalmapantaneira.com.br ou pelo Instagram @institutoalmapanraneira.

*Com informações da assessoria de imprensa.