Uso de máscara nas salas de aula da UFMS passa de obrigatório para recomendável

Medida segue o plano de biossegurança da universidade para flexibilização
| 06/05/2022
- 18:03
Uso de máscara nas salas de aula da UFMS passa de obrigatório para recomendável
Ilustrativa (Foto: Divulgação / UFMS)

O uso de máscara nas salas de aula da (Universidade Federal de ) passou de obrigatório para recomendável. Conforme previsto no Plano de Biossegurança 7.0, a universidade segue com a transição para a flexibilização do uso de máscaras em seus diferentes ambientes. No dia 4 de maio, passou à fase dois do plano de transição, com mudanças nas recomendações para cada local.

A fase um estava em vigor desde 4 de abril. Nela, o uso de máscaras era facultativo em ambientes externos, recomendável em espaços administrativos e obrigatório nas salas de aulas, laboratórios, teatros, auditórios, bibliotecas, restaurantes universitários (RUs), nos espaços ou clínicas de atenção à saúde, Hospital Veterinário e também no transporte coletivo da UFMS.

“Já estava previsto no plano de transição que faríamos uma análise de conjuntura depois de 30 dias de início da fase um e agora, após essa análise, de acordo com o perfil epidemiológico da Covid-19, nós passamos para a fase dois”, explica o presidente do Comitê Operativo de Emergência (COE), Albert Schiaveto de Souza.

Na fase dois o uso de máscaras continua facultativo nos ambientes externos como corredores, jardins, calçadas, espaços esportivos, entre outros, e passa a ser facultativo também nos espaços administrativos, onde antes era recomendável. “Ou seja, agora cada pessoa decide se quer ou não usar nestes locais”, aponta o presidente do COE.

Nas salas de aulas, laboratórios, teatros, auditórios, bibliotecas e RUs, onde antes o uso de máscaras era obrigatório, agora é recomendável. E nos espaços ou clínicas de atenção à saúde, Hospital Veterinário e no Capi Shuttle, transporte coletivo da UFMS, passou de obrigatório para a recomendação seguindo a norma municipal.

Próxima analise

A previsão é de que o COE faça novamente uma análise do perfil epidemiológico da Covid-19 em 30 dias, levando em consideração o comportamento da curva de novos casos da doença e do quantitativo de internações no Brasil, no estado de Mato Grosso do Sul e nos municípios onde a UFMS possui Câmpus, para avaliar o possível avanço para a fase três.

Confira o Plano de Biossegurança 7.0 na íntegra em ufms.br/coronavirus, canal onde é possível conferir todas as medidas tomadas pela Universidade para proteger estudantes e servidores.

Veja também

Em mais um dia de tensões domésticas e internacionais, o dólar superou a barreira de...

Últimas notícias