Sobe para dois número de casos suspeitos da varíola dos macacos em MS

Dois casos suspeitos estão em Campo Grande, que já tem um confirmado da doença
| 19/07/2022
- 09:54
varíola dos macacos
(Foto: Imagem ilustrativa) - Foto: Reprodução

A SES (Secretaria de Estado de Saúde ) confirmou em nota oficial na manhã desta terça-feira (19) o registro de dois casos suspeitos de Monkeypox, conhecida como varíola do . Os dois casos foram registrados em Campo Grande. Os pacientes são homens e estão em isolamento domiciliar. Eles têm 36 e 27 anos de idade, com histórico de viagem a São Paulo.

Segundo a nota, os indivíduos estão apresentando melhora clínica e seguem aguardando resultados laboratoriais. Com esses dois novos registros, Mato Grosso do Sul já notificou seis casos suspeitos, sendo três descartados, dois em investigação e um confirmado.

Mais cedo nesta terça o secretário municipal de Saúde de Campo Grande, José Mauro Filho, adiantou que existia mais um caso suspeito de varíola dos macacos na Capital, porém não citou o segundo caso, confirmado agora pela SES.

Caso confirmado

Primeiro caso confirmado de varíola dos macacos em Mato Grosso do Sul, o campo-grandense de 41 anos recebe tratamento domiciliar e já não está em fase de transmissão da doença, segundo confirmou neste sábado (16) o titular da SES (Secretaria de Estado de Saúde), Flávio Britto.

"Fazemos o acompanhamento diário desse paciente, não só dele, mas de todo o entorno familiar. Todo o tratamento é domiciliar e hoje ele já não está mais na fase transmissível da doença", detalha Britto à reportagem.

Flavio detalhou que, apesar do monitoramento e tratamento pela SES, a confirmação só foi divulgada ontem porque os exames de casos suspeitos são feitos exclusivamente na Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), no Rio de Janeiro, instituição que confirma ou descarta as suspeitas.

o paciente tem histórico de viagem para São Paulo - estado maior número de casos confirmados - e apresentou sintomas como febre, ínguas (adenomegalia), feridas na pele e genitália (erupção cutânea em dorso). A viagem até o estado vizinho aconteceu entre os dias 16 e 19 de junho.

Ele começou a sentir os sintomas no dia 29 de junho, mas não necessitou de hospitalização e estava em isolamento domiciliar. O paciente encontra-se com as lesões cicatrizadas e não possui mais risco de transmissão.

Veja também

Onda de ar polar chega com chuva e pode marcar recorde de frio do ano no Estado.

Últimas notícias