Sem acordo sobre pagamento, enfermagem vota início de greve nesta sexta em Campo Grande

Categoria pede acordo para pagamento de adicional de insalubridade e indenização compensatória
| 24/03/2022
- 14:52
Categoria pode iniciar greve nesta quinta
Caso proposta seja recusada, greve começa nesta quinta. - (Foto: Arquivo/Midiamax)

Os enfermeiros que atuam na rede pública de saúde de Campo Grande irão votar, nesta sexta-feira (25), sobre a deflagração de greve no município. A categoria alega o não cumprimento de acordo para o pagamento do adicional de insalubridade. Caso aprovada, a terá início na próxima semana.

De acordo com o presidente do Sinte (Sindicato dos Trabalhadores Públicos em Enfermagem de Campo Grande), Ângelo Macedo, as negociações sobre o assunto ocorrem desde o ano passado, mas categoria e executivo não chegaram a um acordo.

“Estávamos em negociação sobre o anual e outro que versava sobre a insalubridade. Esse acordo teria regulamentado o decreto da insalubridade até novembro de 2021 e os pagamentos ocorreriam a partir de 2022”, alegou Macedo.

O presidente sindical explica que o reajuste foi pago conforme a lei, mas o acordo sobre a insalubridade da categoria não, fato que levou o sindicato a exigir uma compensação indenizatória, pois um acordo com cláusula fiscal não resultaria em pagamento para os enfermeiros.

“Pedimos que seja regulamentado [o acordo sobre pagamento do adicional de insalubridade], mesmo com cláusula fiscal, nós teremos ele regulamentado. Já é um passo. Ainda com essa regulamentação, não teremos um aporte financeiro, por isso pedimos essa compensação indenizatória”, explicou Macedo.

A categoria também exige a demissão de funcionários comissionados “porque conforme a lei de responsabilidade fiscal é uma exigência para ajuste das contas públicas”, disse o presidente do Sinte.

Com todo o imbróglio, a categoria realizará votação para deflagração de greve. Macedo explica que a votação para indicativo de greve já ocorreu sendo aprovada. “Vamos votar pela greve manhã, se for aceita irei encaminhar para o executivo na segunda, então a greve deve começar após 72h”, comentou.

Vale lembrar que, por se tratar de uma categoria que exerce serviço essencial, 30% dos profissionais devem permanecer atendendo serviços de urgência e emergências nas UPAs (Unidade de Pronto Atendimento) e CRSs (Centro Regional de Saúde).

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura Municipal, mas não obteve resposta. O espaço segue aberto para posicionamento.

Veja também

A PMA (Polícia Militar Ambiental de São Gabriel do Oeste captura serpente em ferro velho...

Últimas notícias