Rosângela Souza, ou somente Rose, acabou deixando as contas de água e luz atrasarem em casa por priorizar cuidar dos animais que protege, cerca de 70 entre cães e gatos abandonados. A moradora, que se empenha em cuidar de bichos há mais de 20 anos, é mãe solo, trabalha como diarista e enfrenta uma doença que a deixou com a visão comprometida.

Rose disse ao Midiamax que desde os 12 anos de idade é protetora de animais e que, desde a pandemia, tem recebido muitos cães e gatos no abrigo que tem na própria casa. “As pessoas passaram a abandoná-los comigo principalmente durante o período da pandemia. Eu sempre trabalhei de diarista, sempre cuidei deles, mas agora não estou dando conta. Preciso de ajuda”, disse.

Rosangela disse que quando consegue doar os animais, os tutores devolvem, pois não têm paciência com o choro dos bichinhos e, devido à isso, a quantidade de animais voltou a crescer no abrigo que tem em casa.

Recentemente, os patrões de Rose a ajudaram a cercar o canil e ela conseguiu negociar as contas de casa. No entanto, os cães e gatos ficaram sem ração e passaram a comer arroz.

“Se as pessoas pudessem doar as rações, eu conseguiria pagar água, luz, o pet-shop, os remédios que compro lá, poderia pagar a clínica que cuida deles quando vem machucados. Ficaria mais fácil”, relatou a moradora. Desde que foi criado o Subea (Subsecretaria do Bem-Estar Animal), Rose é reconhecida como protetora independente de animais.

O abrigo de Rose fica em sua casa, no Jardim Balsamo. Para quem quiser conhecer trabalho da moradora, adotar um dos bichinhos ou doar as rações, podem entrar em contato com ela no 067992596161, número que também é sua chave PIX.