Com dados represados, Três Lagoas supera recorde de 2020 no número de casos de Covid-19

Município acumulou 1.398 casos em quase quatro dias
| 22/01/2022
- 19:09
Ilustrativa
Ilustrativa - (Foto: Divulgação / Prefeitura de Três Lagoas)

Após quase 4 dias com instabilidades, o Sistema e-SUS VE do Ministério da Saúde voltou a funcionar, permitindo que os municípios fizessem a coleta de dados dos casos de nesta sexta-feira (21). Nesse período Três Lagoas acumulou 1.398 casos, gerando uma média diária de quase 350 casos, e superando o recorde de casos de coronavírus atingido em meados de 2020.

Apesar da média ser a maior já registrada em Três Lagoas, de acordo com o Portal Mais Saúde do Governo do Estado de MS, os casos de internações pela doença seguem controlados, contando com ocupação de 30% do total de 13 clínicos covid-19 disponíveis e 33% dos 12 leitos de UTI COVID-19. Vale lembrar que esses leitos não são ocupados apenas por pessoas de Três Lagoas, pois a Cidade é referência para a macrorregião leste do estado e a somatória se dá entre leitos públicos e privados.

Além disso, não foi registrada nenhuma morte por Covid-19 em 2022, fatores esses (ocupação de leitos e mortes) que se devem, claramente, à vacinação.  Nesta sexta-feira (21), também com base em dados do Mais Saúde MS, TL já conseguiu imunizar quase 87% das pouco mais de 123 mil pessoas de população estimada pelo IBGE com pelo menos 1 dose e quase 79% com mais de 1 dose.

Restrições podem ser necessárias

A secretária de Saúde Elaine Fúrio disse que, “no entanto, os dados de contaminação lançam um alerta, tanto pelo fato de que quanto mais o vírus circula, mais mutações (variantes) podem surgir, quanto da necessidade de o Comitê de Enfrentamento à COVID-19 ter que voltar a tomar medidas de restrição para conter o avanço da doença”, enfatizou.

Alta demanda nas unidades de saúde

Elaine alertou, ainda, que apesar de os casos de contaminação por Covid-19 serem com sintomas leves, ainda assim há uma alta demanda por atendimento nas Unidades de Saúde, Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e prontos-socorros dos hospitais, o que acaba sobrecarregando o sistema, ainda mais com o aumento dos casos de pessoas com sintomas de gripe, dificultando atendimento de outros problemas de saúde.

“Apesar da vacina ajudar a não termos quadros graves da doença, muitas que se contaminam ainda precisam de atendimento médico e, além disso, a transmissão em alta pode vir a acometer pessoas com maiores fatores de risco, como idosos, gestantes e imunossuprimidos, que têm mais chance de sofrer com a COVID-19 mesmo se vacinados; por isso, temos que controlar a transmissão”, comentou a secretária.

Veja também

"Aquilo é de verdade?", questiona a moradora

Últimas notícias