Cotidiano

Com 6 casos confirmados em MS, saiba os sintomas e como evitar a contaminação por 'flurona'

'Flurona' é como foi apelidado o duplo contágio por Covid e Influenza

Mariane Chianezi Publicado em 04/01/2022, às 16h27

None
JOSEPH PREZIOSO / AFP

Mato Grosso do Sul teve a confirmação nesta terça-feira (4) de seis casos de pacientes que foram infectados por 'flurona', como tem sido chamado a contaminação simultânea por Covid-19 e o vírus da Influenza. Os casos foram confirmados em Campo Grande, Dourados e Corumbá.

A presença dos dois vírus colocou as autoridades sanitárias em alerta, assim como a população. Como os dois vírus são respiratórios, as medidas de prevenção continuam as mesmas: usar máscara, vacinação, distanciamento social, higiene das mãos.

Mas é possível identificar a 'flurona'? Por causa da semelhança dos sintomas, as duas infecções podem ser inicialmente confundidas. A única forma de identificar a flurona é fazendo os testes para Covid-19 e influenza. Alguns sinais podem ajudar a diferenciar as doenças.

Confira:

Sintomas da gripe (influenza)

A gripe, como é chamada a infecção pelo vírus influenza, apresenta sintomas agudos logo nos primeiros dias da doença.

  • Febre alta;
  • Calafrios;
  • Dores musculares;
  • Tosse;
  • Dor de garganta;
  • Intenso mal-estar;
  • Perda de apetite;
  • Coriza;
  • Congestão nasal (nariz entupido);
  • Irritação nos olhos.

Sintomas da Covid-19

Já nos casos de Covid-19, a doença começa a evoluir a partir do 7° dia, podendo ou não levar a um quadro de insuficiência respiratória.

De acordo com pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, os sintomas da ômicron são "diferentes" das cepas anteriores do coronavírus e incluem:

  • Dor de garganta;
  • Dor no corpo, principalmente na região da lombar;
  • Congestão nasal (nariz entupido);
  • Problemas estomacais e diarreia.

No Brasil, as variantes delta e gama ainda são predominantes. Seus sintomas podem incluir:

  • Perda de olfato e paladar;
  • Dor no corpo;
  • Dor de cabeça;
  • Fadiga muscular;
  • Febre;
  • Tosse.

Vacina é o melhor caminho

Nas redes sociais, o secrertario estadual de Saúde, Geraldo Resende, orientou os moradores sobre a vacinação contra os vírus, onde as doses seguem disponíveis em unidades de saúde.

"É importante que aquelas pessoas que ainda não tomaram nenhuma dose contra a Influenza, vacinem-se. A vacina está disponível para a população em geral, a partir de seis meses de idade. Então, quem ainda não tomou, procure uma unidade de saúde para se imunizar", disse.

Onde se vacinar?

Em Campo Grande, a aplicação das doses acontece em todas as unidades de saúde, mas é necessário atenção quanto aos horários.

Conforme a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), é preciso conferir o calendário de vacinação contra o coronavírus, pois as unidades que oferecem a imunização em um período costumam oferecer as doses da vacina contra a gripe no outro turno.

Por exemplo, na USF São Conrado a aplicação de vacina contra a Covid é das 13h às 16h45. Dessa forma, a vacina contra a gripe acontece apenas de manhã. Na UBS 26 de Agosto, onde não há vacinação contra a Covid, a vacinação contra a gripe acontece nos dois períodos.

Quem se vacinou recentemente contra o coronavírus ou ainda vai receber a dose, pode se vacinar normalmente contra a gripe. Inclusive, não há contraindicações para receber as duas vacinas no mesmo dia.

A secretaria pontua que a campanha de vacinação contra a gripe encerrou em setembro, portanto, as doses restantes são as que sobraram da campanha. Por isso, podem se esgotar a qualquer momento.

*Com informações G1

Jornal Midiamax